Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Cálculo de média do Enem mobiliza colégios privados

Divulgação de lista divide especialistas; quatro escolas do Ceará ficaram entre as 10 primeiras do País na média das provas objetivas

Renata Cafardo, Isabela Palhares, Luiz Fernando Toledo, Cecília do Lago e Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2017 | 05h00

SÃO PAULO - No primeiro ano em que o governo não divulgou as notas das escolas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), os colégios se movimentaram para calcular suas próprias médias. Nesta sexta-feira, 1º, uma empresa de consultoria educacional elaborou um ranking mostrando que quatro escolas do Ceará estavam entre as dez primeiras colocadas. Colégios de São Paulo também passaram tabular seus resultados. Os rankings são questionados por alguns especialistas em educação por serem usados pelo mercado para propaganda.

+++ Veja a nota da sua escola no Enem

O argumento também foi o usado pelo Ministério da Educação (MEC), no começo deste ano, quando anunciou que não mais divulgaria as médias, procedimento que existia desde 2006. Mas, nesta quinta-feira, 30, o Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do MEC, publicou em seu site os dados brutos do Enem, que incluem as informações sobre qual escola cada aluno cursou. A diferença é que o Inep não calculou as médias das escolas, o que acabou sendo feito pelo mercado. 

+++ Redação do Enem é sobre desafio para educação de surdos

O Estado fez a tabulação depois que a lista elaborada pela consultoria Evolucional começou a ser divulgada pela imprensa cearense. O levantamento considerou estudantes concluintes do ensino médio em 2016, matriculados em ensino regular, que declararam que sua escola era pública, privada ou no exterior, que não fossem treineiros, que fizeram todas as provas e não zeraram nenhuma delas. Quatro dos dez primeiros colocados no ranking são instituições da capital do Ceará. Algumas horas depois, o ranking feito pela empresa foi tirado do ar.

+++ Tendência é Enem ficar mais difícil e não incluir itinerários, diz especialista

Pela primeira vez, desde que o Enem tornou-se um vestibular, em 2009, uma escola do Nordeste tem a maior nota do País na prova. O Colégio Farias Brito, de Fortaleza, ficou em primeiro lugar, com 743,4 em 1.000 pontos possíveis na prova objetiva. Em segundo lugar, está o Colégio Objetivo Integrado, de São Paulo, com 743,2. As notas se referem ao Enem feito em 2016.

"Existe uma expectativas das escolas. Os colégios ficam carentes de indicadores externos para ajudar a tomar decisões, ver se as ações adotadas em sala de aula surtiram efeito", disse Frederico Vilela, CEO da empresa Evolucional, que fez o ranking para escolas de Fortaleza. A start up fica em Campinas, no interior de São Paulo, e oferece diagnósticos e intervenções a 1.157 escolas no Brasil para melhorar justamente o desempenho no Enem. Entre as dez escolas com maior desempenho, três já contratam os serviços da Evolucional. Ele diz que tirou a ranking do ar depois de "repensar seu posicionamento" e para "preservar a vontade do Inep". 

Um dos maiores críticos à decisão do governo de não mais divulgar o Enem por escola é o ex-presidente do Inep, Reynaldo Fernandes. Ele sustenta que o poder público tem o dever de divulgar as informações que tem. "Pelo menos eles não estão omitindo os dados, é menos grave", disse sobre o fato de o Inep ter divulgado os dados brutos essa semana. Ele, no entanto, continua defendendo que o governo faça as tabulações. "O aluno de uma escola pública em uma determinada cidade podia comparar a nota da sua escola e da escola vizinha. Agora as informações são limitadas."

Para a presidente executiva do Movimento Todos pela Educação, Priscila Cruz, a nota do Enem não deve ser usada como principal indicador para medir a qualidade da escola. "O Enem não é o melhor instrumento de avaliação. Mais da metade dos alunos no País não faz a prova. Há, portanto, uma distorção gigantesca", diz.

Outro problema, diz a especialista, é que se criou, nos últimos anos, uma obsessão com o ranking do Enem entre os colégios privados, o que fez com que famílias perdessem o interesse por outras características das instituições, além do desempenho na prova. "O trabalho de formação integral do aluno acaba ficando em segundo plano, como em atividades artísticas, culturais, esportivas, atividade em grupo, que são coisas habilidades importantíssimas para o futuro desse jovem e não está no Enem."

O Colégio Objetivo Integrado, que havia tido a maior nota desde 2013, também tabulou o resultado de seus alunos. José Augusto Nasser, diretor geral do grupo Objetivo, contesta a nota atribuída à unidade. Segundo a tabulação feita pelo Estado, a média do colégio nas provas objetivas foi de 743,2 pontos e 803,2, na redação, considerando a nota de 44 estudantes. 

Nasser afirma que sua turma de 3º ano tem apenas 41 alunos e diz que os dados tabulados por eles indicam que sua nota seria de 754,4 pontos na prova objetiva e 820,49, na redação. "Três alunos que não são nossos estão abaixando a nossa média. Não posso te afirmar com certeza que estamos mais uma vez em primeiro lugar, porque o erro que aconteceu conosco pode ter ocorrido também com outro colégio. Mas nossa nota é superior", diz Nasser. Segundo ele, o erro pode ter sido gerado por alunos que colocaram o código do colégio, mas não estão matriculados na unidade. Ele diz, ainda, que esse problema já ocorreu em outro ano. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.