Caixa e BB já investiram R$ 38,4 bilhões em financiamento estudantil

Em 11 anos de atuação do Fies, só a Caixa financiou o curso de 742 mil estudantes

Estadão.edu, com Agência Brasil,

04 Janeiro 2013 | 21h48

A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil (BB) investiram R$ 38,4 bilhões no financiamento de cursos de graduação desde a criação do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), em 2001. Foram R$ 30,4 bilhões aplicados pela Caixa, único agente financeiro do programa até 2009, e R$ 8 bilhões pelo BB nos últimos três anos, de acordo com números divulgados pelas duas instituições.

 

Em 11 anos de atuação do Fies, a Caixa financiou o curso de 742 mil estudantes de famílias de baixa renda, o que equivale a uma atuação de aproximadamente 75% de todas as contratações do Fies, segundo Édilo Ricardo Valadares, diretor executivo de Pessoa Física da Caixa.

 

Como participa desse segmento de mercado há menos de três anos, o BB tem uma atuação menor, em torno de 25%, o que equivale a contratações de financiamentos para 230 mil estudantes de famílias de baixa renda que fazem faculdade particular.

 

A diferença a favor da Caixa tende a desaparecer rapidamente pelo fato de o BB ter mais que o dobro de agências no País e atingir um universo mais amplo de clientes. São 5.339 agências do Banco do Brasil, enquanto a Caixa dispõe de 3.322 unidades. Isso já promoveu um equilíbrio maior na contratação do Fies em 2012.

 

Os financiamentos feitos pela Caixa, até final de novembro, somaram R$ 184 bilhões e beneficiaram 184 mil estudantes, com evolução de 26,1% em relação ao acumulado de janeiro a novembro de 2011. O BB não cita valores, mas informa que fechou 180 mil contratos no ano, o que representa expansão de 290% em relação aos 46 mil financiamentos estudantis de 2011.

 

Voltado para estudantes universitários de famílias com renda mensal até 20 salários mínimos, o Fies financia 100% da mensalidade até a formatura, e o beneficiado só começa a pagar 18 meses depois, em parcelas mensais, com juros de 3,4% ao ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.