1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Brasileiros aprovados em universidades dos EUA fazem vaquinha online para pagar mensalidades

Bárbara Ferreira Santos - O Estado de S.Paulo

11 Junho 2014 | 19h 48

Jovens que passaram nas principais instituições americanas montaram um grupo no site Benfeitoria para conseguir ajuda nos pagamentos

Atualizado dia 12, às 15h. 

O número de jovens brasileiros que passam em universidades do exterior é cada vez maior, apontam especialistas. Com programas de seleção diferentes do Brasil, como nos EUA, em que o voluntariado e ações comunitárias valem tanto quanto as notas, esses diferentes tipos de application têm forçado alunos brasileiros a se adaptarem a novos perfis de avaliação.

Mas, para quem passa, ainda há outra dificuldade depois de ser aceito: o preço das escolas. Nos EUA, por exemplo, quanto melhor a universidade, mais cara ela é. Naquele país, as universidades são particulares, têm fundos de financiamento e administrações próprias. Mesmo com bolsas parciais de estudos, o custo para estudar fora ainda é alto.

Para conseguir pagar de R$ 40 mil a R$ 70 mil por ano só com mensalidades, estudantes brasileiros estão recorrendo ao crowdfunding, uma forma de financiamento coletivo, que é feito por doações online. No ano passado, um grupo de 14 estudantes conseguiram arrecadar, por meio da vaquinha online, cerca de R$ 360 mil. Neste ano, outros 16 alunos tentam conseguir doações, em uma parceria entre o site Benfeitoria e a Fundação Estudar.

Aprovado em quatro universidades dos EUA (Yale, Columbia, Cornell e New York University) e mais cinco no Brasil (USP, Unicamp, ITA, IME e UFRJ), a história de Luis Fernando Machado Poletti Valle, de 17 anos, virou até reportagem do Estado há dois meses (clique aqui para ler). Interessado em estudar Física em Yale, ele diz que ainda não sabe como vai pagar a graduação. "A faculdade custa cerca de R$ 70 mil e consegui uma bolsa de R$ 51 mil, mas, mesmo assim, meus pais não têm condições de pagar. O crowdfunding é a minha última opção.”

Já Michel Rozenberg Zelazny, de 17 anos, começou a dar aulas no colégio em que estudava para tentar juntar dinheiro antes de ir para a Universidade Columbia, em Nova York. "Consegui bolsa da universidade, mas não cobre todos os custos. Meu pai está desempregado há seis anos, então, quando apliquei para universidades de fora, nem cogitei escolher aquelas que não dessem bolsas." 

Esforço. Para passar, os dois mostraram às universidades americanas um impecável currículo acadêmico. A soma das medalhas adquiridas pelos dois em olimpíadas escolares no ensino fundamental e médio chega a 66: Luis conseguiu 36 e Michel, 30. "Mas não adianta ter só nota boa. Eles não querem o aluno bitolado na sala de aula, tem que fazer atividades extracurriculares, ter iniciativa", diz Michel.

Só depois de selecionados é que os estudantes souberam do valor da bolsa que as universidades concederam a eles, baseadas em critérios socioeconômicos. O embarque para as aulas deve acontecer em agosto. Para ingressar no curso, eles têm de arrecadar as doações até 15 de julho. Se não chegarem aos montantes que estabeleceram como meta no site http://benfeitoria.com/estudarfora, vão devolver todo o dinheiro aos doadores.

Avanços. Segundo a gerente de educação da Fundação Estudar, Renata Moraes, tem aumentado ano a ano o número de brasileiros que passam em universidades dos EUA. "O último relatório publicado pelo Instituto Internacional de Educação dos Estados Unidos, chamado de Open Doors, mostra que tem aumentado 20% ao ano o número de brasileiros que estudam lá ao longo dos últimos quatro anos."

Já o diretor executivo da Comissão Fulbright Brasil, Luiz Valcov Loureiro, pondera que, embora esteja crescendo o total de brasileiros estudando nos EUA, ainda é pequeno o porcentual daqueles que fazem 100% da graduação fora. "É maior o número dos que fazem a graduação sanduíche." Para o estudante que quer estudar nos EUA, ele alerta: "Quem quer ir, em qualquer nível de ensino, tem que preparar o bolso, porque lá é mais caro, não só para pagar a universidade, mas pela acomodação e estadia. Tem de se planejar."

Veja o vídeo de Luis e Michel no site de crowdfunding:

Luis - Universidade Yale

 

Michel - Universidade Columbia

 

Conheça outros estudantes que se inscreveram no crowdfunding coletivo: http://benfeitoria.com/projetos-em-canais/Estudar%20Fora

  • Tags: