Brasil conquista dois bronzes em Olimpíada de Astronomia e Astrofísica

Jovens de 16 anos se destacaram entre competidores de 27 nações

Estadão.edu

06 Setembro 2011 | 19h45

O Brasil conquistou duas medalhas de bronze na 5ª Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica (IOAA, na sigla em inglês), realizada entre 25 de agosto e 4 de setembro, em Gdansk, na Polônia. Os medalhistas foram Gustavo Haddad e Ivan Tadeu, ambos com 16 anos. Tábata Amaral, de 17 anos, e Pedro Caetano, de 16, obtiveram menção honrosa. No próximo ano, a IOAA acontecerá no Brasil.

Os quatro brasileiros se destacaram entre competidores de 27 nações. À frente do grupo, estavam os professores Thaís Mothé-Diniz, do Observatório do Valongo, da UFRJ e Felipe Gonçalves Assis, ex-participante da olimpíada.  

Antes de viajarem, os jovens acompanharam palestras e conheceram o Planetário do Ibirapuera, em São Paulo. O treinamento contou com aulas de astronomia e astrofísica, além de analisar o céu da Polônia através de uma projeção. A preparação foi feita pelos professores Dr. Julio Klafke e Dra Thaís Mothe Diniz, membros da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB), e organizada pelo Dr. João Canalle, coordenador da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA).

O céu que podemos ver

As provas da olimpíada foram realizadas em três modalidades: observacional, teórica e prática. Primeiro, os participantes tiveram que demonstrar seus conhecimentos sobre o céu “que podemos ver”. Depois, resolveram problemas de variados níveis sobre astrofísica, astronomia de posição, mecânica celeste e cosmologia. E, por fim, aplicaram tudo o que estudaram na interpretação de dados de observação do céu como um astrônomo profissional.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.