Tony Gentile/Reuters
Tony Gentile/Reuters

Base Curricular inclui temas como gênero e sexualidade em área de ensino religioso

Novo documento, que será votado nesta quinta pelo Conselho Nacional de Educação, prevê que esses temas sejam discutidos segundo 'diferentes tradições religiosas e filosofias de vida'

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 15h36

As discussões de gênero e sexualidade foram transferidas para uma área recém-criada de ensino religoso da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A área sequer existia no último texto apresentado pelo Ministério da Educação (MEC), em abril, e é considerada polêmica.

Como adiantou o Estado nessa terça-feira, 5, na semana passada o governo mandou um novo texto para análise do Conselho Nacional de Educação (CNE), com uma parte inteira sobre ensino religioso.

+++ São Paulo vai pôr criatividade e empatia no currículo

A BNCC será votada nesta quinta-feira, 7, no CNE. O MEC não divulgou o documento à imprensa, mas o Estado teve acesso ao texto.

 

As questões de gênero estão descritas como habilidades apenas para o 9º ano do ensino fundamental. A Base indica que os adolescentes, em torno dos 15 anos, devem "discutir as distintas concepções de gênero e sexualidade segundo diferentes tradições religiosas e filosofias de vida" e "discutir as diferentes expressões de valorização e de desrespeito à vida, por meio da análise de matérias nas diferentes mídias."

+++ Escolas de São Paulo discordam de Base Nacional Curricular Comum

O ensino religioso, segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), é de matrícula facultativa. Os críticos da inserção da religião na BNCC argumentam que o documento pretende indicar os objetivos de aprendizagem mínimos para os estudantes. Por isso, uma área considerada optativa não deveria estar prevista no texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.