Luiz Fernando Toledo
Luiz Fernando Toledo

Barracas do acampamento dos professores pegam fogo

Segundo a PM, um docente foi encaminhado à Santa Casa por ter passado mal com a fumaça; área foi isolada

Luiz Fernando Toledo , O Estado de S. Paulo

03 Junho 2015 | 18h17

Duas barracas montadas no acompanhamento dos professores grevistas, em frente à Secretaria Estadual de Educação, na Praça da República, pegaram fogo durante o protesto desta quarta-feira, 3. Docentes afirmam que o incêndio foi proposital, mas não sabem apontar o autor.

"Não vimos ninguém. Uma professora gritou que havia fogo e nós só afastamos as barracas", contou o professor de História João Paulo Santos, da Escola Estadual Professor Donizete Leite. 

De acordo com a PM, um dos docentes que estava no local foi encaminhado à Santa Casa por ter passado mal com a fumaça. A área foi isolada. 

O acampamento foi montado no início da paralisação para chamar a atenção do governo estadual para as reivindicações da categoria. Um pequeno grupo de docentes dorme nas barracas e outro passa o dia no local. 

Também nesta quarta-feira, em frente à secretaria, os manifestantes simularam um velório para simbolizar a "morte da educação". Eles usaram um caixão, velas e o livro O Príncipe, de Maquiavel. Em cartazes, estava escrita a frase: "Aqui jaz a educação". 

À tarde, em assembleia, os professores decidiram manter a greve, que já é considerada a mais longa da história em São Paulo.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.