Avançamos, mas é preciso mais

Os resultados revelados pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2011 não deixam dúvidas de que o país alcançará a meta prevista para 2021 no que se refere aos anos iniciais do Ensino Fundamental. O Brasil alcançou o Ideb de 5,0, e se continuar nesse ritmo chegará ao 6,0, previsto para 2021. É bom lembrar que à medida que o país evolui, as dificuldades são maiores. De fato, os resultados de 2011 indicam que a superação de metas pode ser mais facilmente alcançada quando se está com Idebs mais baixos. Por exemplo, 70,2% das escolas com Ideb até 3,7 alcançaram as metas previstas para 2011; por outro lado, apenas 24,2% das escolas com Ideb 6,0 ou mais tiveram esse mesmo êxito.

Mozart Neves Ramos*,

15 Agosto 2012 | 13h17

Ainda em relação aos resultados dos anos iniciais do Ensino Fundamental, é importante destacar o salto dado pelo estado do Ceará, que se afastou definitivamente da região Norte e Nordeste do Brasil na área educacional, chegando agora às regiões Sul e Sudeste. Destas regiões vale destacar os resultados alcançados pelos estados de Minas Gerais com Ideb 5,9 e o de Santa Catarina com 5,8, que estão bem próximos daqueles correspondentes aos dos países da comunidade europeia.

Já nos anos finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio a situação brasileira é bem diferente, diria mesmo muito preocupante, em particular o Ensino Médio. O crescimento do Ideb nos anos finais do Ensino Fundamental é muito discreto, quase não se percebe. No Ensino Médio, o país simplesmente estagnou, e o pior num patamar muito baixo. E estagnação em Educação significa retrocesso. Entretanto, mais uma vez, destaque para o estado de Santa Catarina, que obteve os melhores resultados no Brasil para essas duas etapas da Educação Básica.

No Ensino Médio, doze estados não alcançaram as metas previstas para 2011, e outros pioraram seus resultados, como o Rio Grande do Sul. Esses números revelam que quando o currículo se torna multidisciplinar e demanda formação inicial docente mais especifica, o país não consegue sair do lugar. Cabe ao Ministério da Educação, em colaboração com os governos estaduais, a quem cabe prioritariamente esta oferta educacional, estabelecer uma agenda estratégica para o Ensino Médio.

Dos resultados do Ideb 2011, fica também evidente que quatro estados precisam de uma maior atenção: Maranhão, Alagoas, Sergipe e Pará, que não conseguem avançar no processo educacional.

Para um Brasil de todos, é preciso uma Educação de qualidade para todos. Esse é o desafio que se coloca e se impõe à nação brasileira, e não há mais tempo a perder.

 

*MEMBRO DO CONSELHO DE GOVERNANÇA DO TODOS PELA EDUCAÇÃO E DO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Mais conteúdo sobre:
ideb

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.