Aulas em 3D e iPads para motivar alunos

Empresas e colégios diversificam a oferta de material escolar para atrair os estudantes

Isis Brum, Jornal da Tarde

27 Janeiro 2011 | 11h50

Materiais mais atraentes, curiosos e tecnologia de ponta formam o tripé das inovações que as escolas particulares e públicas vão adotar  neste ano para tentar prender a atenção da garotada. De kits de experiência para física e biologia ao uso de projetores em 3D, há estudos para implementar  até iPads em sala de aula.

 

No COC, recursos tecnológicos de ponta tomam conta da sala de aula desde o fundamental, com mesas digitais que já contam com tela multitoque, têm  conexão com a internet e também oferecem animações em três dimensões (3D). Alunos dos últimos anos do fundamental e do ensino médio têm um laptop cada um. “A  tecnologia inova para atender à realidade e à necessidade dos alunos”, diz o gerente pedagógico de tecnologias do COC, Adriano Polido.

 

Mas a principal novidade do COC vai para os cursos do Ensino a Distância (EAD)da rede. A partir deste ano, todos os ingressantes receberão um tablet com  o conteúdo do semestre.

 

No colégio Arquidiocesano Marista, o laboratório de informática foi reformado e novos notebooks vão chegar para o início do ano letivo. O investimento  mais pesado, contudo, foi nos kits lego importados, que serão usados nas aulas de ciências ou matemática do ensino fundamental 1 e 2.

 

“É o Lego Education, que vem com peças para montar sistemas elétricos, por exemplo”, conta Marcus Vinícius de Souza, gerente de Tecnologia e Informática  do Arquidiocesano. Segundo ele, o objetivo é desenvolver no estudante habilidades físicas (coordenação motora e visiomotoras), emocionais (paciência e  autocontrole), sociais e de raciocínio - além de fazer com que os alunos pratiquem a linguagem e os conceitos de matemática e ciências.

 

O Arquidiocesano Marista adquiriu 32 novos kits, que trazem montagens para barco a remo, planetário, coração e até cineminha. Os iPads também foram  comprados, mas estão em estudo pela equipe de TI. “Ainda estamos avaliando sua implementação em sala”, diz Souza. O mesmo ocorre no Colégio  Bandeirantes.

 

Especializada no desenvolvimento de materiais pedagógicos para o aprendizado de Ciências, a Sangari é parceira de 160 instituições de ensino no  País - entre elas a rede Pueri Domus. Os kits de experimentos individuais estão entre os produtos principais. Para alunos do 6º ano do fundamental, um dos  módulos é o estudo da eletricidade.

 

“O aluno recebe um fio, uma lâmpada e uma pilha. O desafio é descobrir como acender a lâmpada usando apenas um fio”, explica Vinícius Signorelli, gerente  executivo de produto da Sangari. Ele é professor de Física e foi um dos idealizadores do Telecurso da Fundação Roberto Marinho.

 

“Todo mundo tem interesse em Ciência, mas chega na escola, começa a achar chato. O desafio é torná-la interessante”, fala Signorelli. “A formação do cidadão,  hoje, é impensável sem atitude científica. Isto significa ter um olhar crítico, fazer perguntas. A Ciência vive de dúvidas”, ensina o físico.

 

Entre os materiais desenvolvidos pela empresa está um complexo sistema nervoso, que pode ser montado pelos alunos segundo os movimentos e impulsos do corpo  em situações do dia a dia. Outra opção é um motor por meio do qual são estimulados a descobrir como a energia é gerada e como é possível produzir bioenergia.

 

SAIBA MAIS

 

TABLETS

É um dispositivo em formato de prancheta com tela touchscreen (pelo toque, sem teclado e mouse)

 

iPADS

É o tablet da marca Apple

 

3DIMENSÕES (3D)

Imagens em que os objetos parecem interagir com o público

Mais conteúdo sobre:
iPad Tablet Tecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.