Atraso no Enem será problema para alunos, dizem cursinhos

Além da carga de provas que dos próximos meses, a nova data coincide com três dos maiores vestibulares de SP

Giovanna Montemurro, do estadao.com.br,

01 Outubro 2009 | 16h05

Para os coordenadores dos principais vestibulares de São Paulo, adiar o Enem em 45 dias será um problema para os vestibulandos. Isso porque, além da imensa carga de provas que está por vir nos meses de novembro e dezembro, a nova data da prova coincide com três dos maiores vestibulares do Estado de São Paulo: Unesp (08/11), Unicamp (15/11) e Fuvest (22/11).   Veja também:  Ouça na íntegra a entrevista do ministro Fernando Haddad à radio Eldorado  Ouça a entrevista de Gustavo Henrique de Souza Balduino, Secretário-executivo da ANDIFES   Ouça a entrevista de Paulo Renato Souza, Secretário Estadual de Educação   Ouça a entrevista de Flávio Arns, Presidente da Comissão de Educação do Senado   'Sorte é que eram amadores', diz Haddad sobre fraude no Enem Enem vaza e ministério anuncia cancelamento do exame Suspeita é de vazamento em gráfica  Cancelamento do Enem preocupa vestibulandos   "Isso seria criminoso, não pode ser feito. Seria uma insanidade completa, o fim do mundo pedir para o aluno escolher entre a Fuvest e o Enem", disse o coordenador geral do Etapa, Edmilson Motta.   Há ainda a questão de a nota do Enem compor a nota final de exames como a Fuvest. "A Fuvest aceita receber o resultado do Enem somente até dia 5 de dezembro, do contrário ele não é computado", lembra Luis Ricardo Arruda, coordenador da Unidade Tamandaré do Anglo. Dessa forma, muitos alunos podem ser prejudicados, "principalmente aqueles de escola pública", afirma o coordenador.   No entanto, adiar a prova para além dos 45 dias previstos não resolveria o problema. É no final do ano que se concentram a maior parte dos vestibulares, o que acaba sobrecarregando o aluno. "Fazer o Enem no meio de várias outras provas é exaustivo, desumano. Cai a produtividade e, consequentemente, o resultado do aluno", conta Arruda.   "O ideal seria mesmo que o Enem já acontecesse agora em outubro, antes dos outros vestibulares, até porque o aluno teria uma experiência de um grande vestibular", disse Motta.   Mas o que fazer agora que a prova já foi adiada? Vera Lúcia da Costa Antunes, coordenadora dos Cursos Objetivo, conta que o melhor agora é esquecer o problema da prova e continuar a estudar com dedicação total. " Não dá pra relaxar. Como a programação do Enem bate com os grandes vestibulares, basta continuar dentro do programa de estudo para provas como Fuvest e Unicamp", diz.   E o que estudar agora nesse tempo extra? Arruda dá a dica: "O mais importante de cada tema, pois esse é o foco da prova do Enem. Não prestar muita atenção nas notas de rodapé." O coordenador lembra ainda que o aluno que não souber o que estudar deve procurar o professor de cada área e pedir orientação de estudo.

Mais conteúdo sobre:
Enem educação cursinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.