1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após protestos, Alckmin recorre a youtubers para defender reorganização

- Atualizado: 04 Fevereiro 2016 | 17h 36

José Renato Nalini, secretário da Educação, disse buscar formas de se aproximar e dialogar com os estudantes sobre a proposta

Cerimônia. Alckmin defendeu escolha: ‘Nalini reúne diálogo com todos os protagonistas’

Cerimônia. Alckmin defendeu escolha: ‘Nalini reúne diálogo com todos os protagonistas’

SÃO PAULO - Depois de uma série de protestos contra a reorganização escolar, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) vai recorrer a youtubers para defender a proposta de transformar as escolas da rede estadual de ensino em ciclo único (com apenas ensino fundamental 1, 2 ou médio). De acordo com o secretário da Educação, José Renato Nalini, a pasta busca forma de se aproximar e dialogar com os estudantes. 

"Nós vamos estabelecer um diálogo, estamos contratando jovens youtubers para que nos ajudem também a transmitir a ideia (da reorganização) e para chamar a juventude a participar do debate", disse Nalini, nesta quinta-feira, 4, durante a a divulgação dos resultados de desempenho da educação paulista.

A proposta da reorganização, anunciada no ano passado, previa o fechamento de 93 prédios e a transformação de 754 escolas em unidades de ciclo único. Os estudantes foram contrários à medida e ocuparam quase 200 escolas em todo o Estado. Com as manifestações crescentes, Alckmin suspendeu o projeto para que fosse discutido em 2016. 

Além da suspensão da medida, Alckmin também demitiu o então secretário, Herman Voorwald. Nalini assumiu a pasta no último dia 28, com a promessa de "transparência e diálogo" com os estudantes. "O diálogo com os estudantes já começou e vai ser intensificado. Nós vamos recorrer principalmente àqueles que falam a linguagem dos jovens, vamos aproveitar essa mobilização (dos estudantes contra a reorganização)", disse Nalini. 

Ele também informou que a secretaria vai promover eleições unificadas para fortalecer os grêmios estudantis das escolas e, assim, garantir uma maior participação dos alunos. "Estabelecendo assim que o grêmio estudantil não deve ser só fundado, mas ser um organismo que realmente participa da gestão democrática. Vamos chamar também os conselhos de educação e as associações de pais e mestres para para participar".

O secretário defendeu a reorganização e disse que a proposta parece uma "ideia sensata". 

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EducaçãoX