WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Após Metodista demitir professores, alunos protestam

Docentes já haviam entrado com ação na justiça por atraso nos salários; universidade não comentou

Isabela Palhares e Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2017 | 04h00

SÃO PAULO - Ao menos 50 professores da Universidade Metodista de São Paulo foram demitidos após uma mudança na direção da instituição, segundo o Sindicato dos Professores do ABC (Sinpro ABC). Parte dos docentes diz que as demissões são uma retaliação a uma ação judicial coletiva. Os professores haviam entrado com o processo porque, desde 2015, estariam recebendo salários atrasados e não têm o fundo de garantia depositado. A universidade não se manifestou. 

"A situação começou como uma crise financeira, com o atraso de salários. Tentamos conversar, negociar, mas nada ia para frente. Depois da ação coletiva, os professores que sempre participaram das assembleias foram demitidos. Foi uma decisão política", alega Cristiane Gandolfi, diretora do sindicato e professora do curso de Pedagogia da Metodista.

++ Estudantes da Unifesp ocupam prédio da Presidência na Paulista

Luís Roberto Alves, de 70 anos, era professor da pós-graduação em Administração até segunda-feira, quando foi demitido. Segundo ele, falhas no depósito do FGTS vêm ocorrendo desde 2014. "Foram alguns lançamentos em 2015, 2016, neste ano, mas com lacunas de até sete meses." 

Ele conta que, desde segunda, os professores começaram a ser chamados em sequência para serem demitidos. Há 31 anos na instituição, Alves diz que seu curso estava ameaçado de ser extinto desde agosto e não foi aberto edital para novas turmas.

Futuro. Um professor que trabalhava na instituição havia 13 anos e pediu para não ser identificado diz ter participado das assembleias e entende sua demissão como uma retaliação à participação nas reuniões em que foi discutido o atraso salarial. "Me preocupa o futuro da Metodista. Foi onde me formei e iniciei minha carreira. Vou sempre carregar o nome dessa instituição. Por isso, lutava pelos meus direitos e de meus colegas."

A maior parte das demissões ocorreu nos cursos da Escola de Comunicação, Educação e Humanidades. Muitos atuavam em cursos de pós-graduação, o que preocupa estudantes e funcionários, que temem pela continuidade de pesquisas. 

++ Estudantes realizam novo protesto em SP contra mudança no passe livre

Alunos e ex-alunos usaram as redes sociais para lamentar as demissões e manifestar apoio aos professores. Eles fizeram um protesto em frente à instituição na noite de ontem. O temor é em relação à qualidade do ensino. "Éramos referência no quadro de docentes, com mestres, doutores. Com essas demissões, esse quadro foi diminuído e a qualidade do curso pode ser deteriorada", diz Henrique Malange, de 20 anos, que está no 7.º semestre de Administração.

O receio é compartilhado pela estudante de Ciências Biológicas Nathalia Gomes, de 21 anos, que, diante da crise na Metodista, já planeja até concluir a graduação em outra universidade. "Pessoas que pensavam em vir para a Metodista estão buscando outras faculdades." Segundo o sindicato, a instituição também decidiu não iniciar os cursos de licenciatura, exceto Pedagogia, em 2018. Procurada pela reportagem ontem, a Universidade Metodista de São Paulo não comentou as demissões nem o fechamento das graduações. /COLABOROU GIOVANA GIRARDI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.