Após fraude, MPF quer suspender compra de livros didáticos no Pará

Pedido do ministério já foi encaminhado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e aguarda avaliação; caso pode ser levado à Justiça

Marcela Bourroul Gonsalves, da Central de Notícias

06 Setembro 2011 | 16h29

SÃO PAULO - O Ministério Público Federal (MPF) recomendou a suspensão imediata da compra de livros didáticos para a 10ª Unidade Regional de Educação no Pará, após o banco de dados com os títulos escolhidos ter sido fraudado.

A lista das obras selecionadas pelos professores e diretores de escolas foi inserida no sistema do Programa Nacional do Livro Didático em 8 de junho. Quatro dias depois, as informações foram alteradas por uma pessoa que ainda não foi identificada. O caso está sendo investigado pela Polícia Federal.

O documento que pede a suspensão da compra foi encaminhado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) na segunda-feira, 5. Se em até dez dias o Fundo não apresentar resposta, o caso poderá ser levado à Justiça.

Além de exigir a paralisação urgente do processo de compra, há ainda a recomendação de que seja reaberto o sistema de cadastramento no Ministério da Educação (MEC) dos livros didáticos escolhidos nos municípios abrangidos pela 10ª URE, que reúne 12,4 mil alunos em 18 escolas.

Mais conteúdo sobre:
Livros didáticos fraude MPF Pará Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.