Análise: Só exames não constroem sistemas

Desde a Constituição de 1988, apenas três políticas educacionais efetivamente mudaram de patamar o marasmático setor da educação, que carregava indicadores ignóbeis: em primeiro lugar, a universalização da educação básica, com a expansão do ensino obrigatório e as condições para abrir milhões de vagas. Isso se deu por meio de uma segunda mudança drástica - concentrar as matrículas da educação infantil e do ensino fundamental sob a autoridade de quem está mais perto dos eleitores: os prefeitos. A terceira iniciativa foi criar a cultura de monitoramento de resultados por meio de exames.

Ilona Becskeházy, O Estado de S. Paulo

29 Novembro 2014 | 22h33

É claro que as autoridades educacionais sabem que apenas com matrículas e provas não se constrói um sistema sólido de educação para garantir ao País a excelência e a equidade de que necessitamos para resolver nossos desafios internos e externos formando milhões de cidadãos com cérebro (e ética).

Ainda não nos dispusemos a parar de nos enganar, acreditando que é possível superar a má qualidade com 4 horas de instrução por dia dadas por professores mal pagos, fragilmente preparados e que praticam o absenteísmo sistemático, sem poder contar com parâmetros curriculares de alto nível e com condições adequadas de trabalho. Sem escolhas mais ousadas, não colheremos resultados mais ambiciosos.

Ilona Becskeházy é consultora em Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.