Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Alunos de Harvard ajudam brasileiros a entrar em universidades dos EUA

Graduandos da instituição americana vieram ao País para ensinar estudantes brasileiros com alto potencial acadêmico a falar inglês

Bárbara Ferreira Santos, Estadão.edu

30 Janeiro 2014 | 01h08

Estudar em Harvard, uma das melhores instituições de ensino superior do mundo parecia impossível para estudantes pobres, filhos de imigrantes, com mães empregadas domésticas, pais solteiros e sem condições de bancar nem um centavo para a faculdade. Mas, para um grupo de 15 estudantes com perfis semelhantes a esses, com muita dedicação, o sonho se tornou possível.

Estudantes notáveis, não apenas com notas altas, mas experiências de vida relevantes, como participação ativa na comunidade com projetos sociais, ou histórias familiares atípicas, eles conseguiram convencer os selecionadores de que mereciam uma das disputadas cadeiras na famosa universidade americana. E mais, que valiam o investimento de bolsas de estudo.

A convite do escritório brasileiro de Harvard, esse grupo veio ao Brasil para mostrar a 15 alunos do ensino médio brasileiro, com alto desempenho acadêmico e bolsistas de escolas particulares, que estudar em Harvard com bolsa de estudos é um sonho possível.

Pela segunda vez, o escritório da instituição no País desenvolve um programa de mentoria e aquisição de linguagem (Mentoring and Language Acquisition in Brazil, ou MLab, em inglês). A primeira edição foi realizada em janeiro de 2012, apenas presencialmente e em São Paulo. A segunda começou no segundo semestre de 2013, com conversas por e-mail e Skype entre brasileiros e americanos e deve se estender por 2014, ainda sem data de término.

Nas últimas três semanas, os estudantes de Harvard estiveram no Brasil. Passaram por Porto Alegre, para aprender português, e por São Paulo, onde encontraram os brasileiros.

No programa, cada americano foi padrinho de um brasileiro e teve a tarefa de treinar inglês com o colega e ensinar sobre o sistema de Harvard.

Segundo o diretor do escritório de Harvard no Brasil, Jason Dyett, há interesse da instituição em ter mais diversidade cultural em seu câmpus e atrair mais brasileiros. Como a maior dificuldade dos brasileiros é o idioma, o escritório decidiu fazer o programa em aquisição de idioma. "O número de brasileiros em Harvard cresceu, mas o que a universidade quer é a diversidade do aluno brasileiro que estudou no sistema de ensino do País, que cursou escola pública, e não só em colégios americanos e britânicos aqui."

Dyett afirma que o objetivo do programa é mostrar aos alunos do Brasil que é possível estudar em uma instituição americana, seja em Harvard ou em outra instituição. "É um programa caro para Harvard, mas, se ao menos um desses alunos passar em uma universidade boa com bolsa, nos Estados Unidos ou no Brasil, ele se tornará muito barato."

Encontro. Entre os intercambistas, as dificuldades de se expressar em idiomas diferentes, tanto de brasileiros quanto de americanos, foram superadas pela vontade de se comunicar e aprender uma cultura diferente.

No Brasil, os americanos descobriram as diferenças entre as culturas gaúcha, paulista e carioca. Conheceram alimentos típicos, como pão de queijo, chimarrão e o tradicional churrasco gaúcho. Andaram de ônibus e metrô. Foram a museus e pontos turísticos de São Paulo.

"O Brasil se assemelha muito com o país dos meus pais, El Salvador. Quero vir aqui para estudar ou trabalhar", afirmou Brenda Marisol Serpas, de 21 anos, que estuda Letras em Harvard, em um português quase sem sotaque.

Como ela, outros estudantes de Harvard dividiram o tempo que passaram no País para explicar aos colegas como participar do processo de seleção das universidades americanas e conseguir bolsas. "Até hoje não sei por que passei em Harvard e ainda consegui bolsa. Acho que foi porque eu sou a primeira pessoa da minha família, que é de imigrantes italianos, a ir para a faculdade", disse David Coletti, de 19 anos, ao colega brasileiro Guilherme Quadro Calanzans, de 16, aluno do Colégio Bandeirantes e bolsista do Ismart.

Perto deles, Michael Gellman, de 19 anos, tentava convencer Marciel Silva de Almeida, de 16, do 3.º ano do ensino médio do Colégio Bandeirantes e também bolsista do Ismart, a tentar aplicar para Harvard no fim do ano. "Acho que ele tem toda a condição de passar", afirmou Gellman. Já Almeida, que comemorava o primeiro dia da mãe no emprego de costureira, tentava disfarçar a insegurança em prestar para uma universidade estrangeira. "Achava e ainda acho difícil passar, mas o Michael está me mostrando que, se eu quiser, posso conseguir."

Depoimentos:

Rodrigo Silva Ferreira

17 anos, aluno do 2º ano do Colégio Ari de Sá, de Fortaleza

"Sou de Salvador e participei de Olimpíadas de Física, Matemática e Química, além de ficar em segundo lugar no Soletrando, do Caldeirão do Huck, da TV Globo. Estudava em escola pública e fui convidado para fazer o Colégio Ari de Sá, em Fortaleza, que prepara para os principais vestibulares, com bolsa. Antes do MLab, achava que estudar em Harvard era um sonho impossível. Agora percebi que posso fazer o processo de aplicação. O MLab foi uma das melhores experiências que já tive. Conheci pessoas maravilhosas e preocupadas com os desafios que o mundo enfrenta. O maior aprendizado foi o de sempre seguir os meus sonhos, mesmo que sejam grandes. Afinal, sonhar grande ou pequeno dá o mesmo trabalho."

Rainjade Chung

20 anos, estudante bolsista de Harvard

"Meus pais são taiwaneses e eu, da primeira geração a nascer nos EUA. Também fui a primeira da família a entrar na universidade, então nunca havia pensado que pudesse estudar em Harvard. Tenho bolsa de 100% porque tenho mãe solteira e não podemos pagar. Além da mensalidade, recebo dinheiro para moradia, livro, transporte para voltar para casa e até shows. Em Harvard, estudo Português há um ano, Mandarim e Espanhol. Faço major (graduação) em Biologia Regenerativa e Desenvolvimento Humano e vou fazer um minor (espécie de especialização) em Português e/ou em Saúde Global. Já sei que vou para a faculdade de Medicina e fui aceita na Boston School of Medicine."

Marciel Silva de Almeida

16 anos, aluno do 3º ano do Colégio Bandeirantes

"Quando o MLab começou, no ano passado, tínhamos de conversar pela internet, mas não tenho computador. Tenho um celular sem câmera frontal e, para conseguir ver e falar com o Michael, deitava na minha cama e usava um espelho no pé. Estudava em escola pública e consegui uma bolsa pelo Ismart no Colégio Bandeirantes. Fui aceito na 6ª série, mas minha mãe achou cedo. Tentei no ano seguinte e passei de novo. Até pouco tempo, não sabia nem que poderia fazer uma faculdade, imagine estudar em Harvard. Agora parece difícil, mas não impossível."

Michael Gellman

19 anos, estudante bolsista de Harvard

"Minha família não tem condições de pagar uma universidade como Harvard, mas tenho bolsa parcial. Trabalho na biblioteca da universidade cerca de dez horas semanais para ajudar a custear os estudos. Harvard tem a política de dar bolsas para facilitar o acesso. Se você não tiver um centavo, você não paga nada. Em Harvard, comecei a estudar português há cinco meses e tirei um ano para viajar e estudar pela América Central. Fui para Guatemala, Costa Rica e morei nas comunidades para entender a realidade. Adorei o Brasil e os brasileiros, e São Paulo foi a maior cidade que já vi. Tenho muita vontade de voltar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.