Aluna é assaltada no caminho para a prova e é impedida de a fazer o Enem

Jovem de Fortaleza chegou ao local do exame sem documentos; pelo menos dez assaltos aconteceram na região

Lauriberto Braga, de O Estado de S. Paulo,

03 Novembro 2012 | 18h14

FORTALEZA - O primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2012 no Ceará foi marcado pelas desculpas de quem não conseguiu fazer o teste. Uns chegaram atrasados, outros não trouxeram documento de identidade e outros tantos simplesmente não foram fazer o Enem. A abstenção girou em torno de 10%, informou a organização do Exame no Ceará. No Estado se inscreveram 345.002 alunos.

A aluna Marcela Moreira, de 18 anos, foi impedida de fazer a prova deste sábado e está automaticamente eliminada porque foi assaltada quando se encaminhava para a Universidade Estadual do Ceará (Uece). "Fui assaltada quando estava chegando. Já vinha atrasada e por isso vinha correndo, mas não teve jeito, eles anunciaram o assalto e levaram meus documentos e celular", relatou Marcela que pretende no próximo Enem conseguir vaga para o curso de Serviço Social.

A Polícia registrou pelo menos dez assaltos perto dos locais de prova em Fortaleza. O comando do policiamento informou que carros do Ronda do Quarteirão estavam dando a segurança nesses locais, mas os assaltos acabaram acontecendo, fazendo que estes alunos perdessem o Enem 2012.

Para aqueles que fizeram as provas deste sábado, 3, ficou a esperança de se dar melhor nas provas de domingo, 4. As provas deste sábado foram de Ciências Humanas e suas tecnologias e Ciências da Natureza e suas tecnologias. As quatro horas e meia dedicadas para as provas não foram suficientes para Roberta Sousa, de 25 anos responder as 90 questões. Ela espera que no domingo com a Redação e as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias se dê melhor. "Pelo menos terei mais tempo para fazer", disse. São cinco horas e meia para responder as provas de domingo.

Mas a mesma paciência não teve Celane Richelly, de 20 anos. Ela foi a primeira a deixar o Colégio Santo Inácio. Revelou que "chutei algumas questões, pois estava com dor de cabeça". Ela quer cursar Administração de Empresas. Quem também chutou questões João Henrique Castro, de 19 anos. "A prova estava muito cansativa. Longa demais com enunciados enormes. Por isso chutei algumas questões e acabei saindo mais cedo", afirmou João que fez provas na universidade de Fortaleza.

Já Yldon Soares, de 18 anos, que quer fazer Medicina, afirmou que as provas deste sábado exigiram muita paciência. "Eu fui o último a sair da sala, porque é estressante o Enem. Mas pensei que fosse cair mais atualidade na prova de Ciências Humanas, como o Mensalão, mas não caiu", informou. Clara Carneiro, de 16 anos, foi a última deixar o Colégio Santo Inácio. "Estava acabando de marcar o gabarito, quando tocou a sirene encerrando as provas que considerei boas", disse Clara.

Alguns estudantes vestiram a camisa do Enem. Ou seja foram fazer provas com camisetas alusivas ao Exame confeccionadas pelos colégios ou particularmente por eles. Umas camisas tinham a inscrição: "iPass Enem" e "Keep calm and Enem" (Foca no Enem). O Enem serviu ainda para cursinhos e faculdades fazerem propaganda de seus cursos e vendedores lucrarem com venda de canetas pretas e água mineral. A caneta preta que nas livrarias custa R$ 0,80 chegou a ser vendida nas portas dos locais de prova a R$ 2,50.

Mais conteúdo sobre:
Enem Fortaleza assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.