1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

100 escolas da rede municipal de SP terão período integral

- Atualizado: 05 Fevereiro 2016 | 13h 58

Ao todo, 16 mil crianças serão beneficiadas; Haddad prevê que até 2024 metade das vagas sejam de carga horária estendida

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) anunciou nesta sexta-feira, 5, que 100 escolas da rede municipal iniciarão o ano letivo com turno integral. Ao todo, 16 mil crianças serão beneficiadas com a ampliação do turno, que passará a ter no mínimo sete horas de atividades educacionais.

O programa havia sido anunciado pelo prefeito em novembro do ano passado, quando foi aberta uma consulta pública nas unidades para que as interessadas pudessem se inscrever. De acordo com a Secretaria de Educação do município, farão parte do projeto 73 escolas municipais de ensino fundamental (Emefs) e 37 de ensino infantil (Emeis).

Na avaliação da Prefeitura, o ensino em turno integral reforça as ações para garantir a alfabetização de todas as crianças até o 3º ano do ensino fundamental

Na avaliação da Prefeitura, o ensino em turno integral reforça as ações para garantir a alfabetização de todas as crianças até o 3º ano do ensino fundamental

"Nós estamos nos preparando para cumprir a meta do Plano Nacional de Educação, que prevê que as escolas tenham 50% da oferta de vagas em período integral até 2024. Temos que começar agora para ajudar o Brasil a cumprir essa meta", disse Haddad.

De acordo com o projeto, o ensino em turno integral, além de estimular e promover maior convívio e oportunidade de aprendizagem para as crianças, também reforça as ações para garantir a alfabetização de todas as crianças até o 3º ano do ensino fundamental, nos termos no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa.

"Com esse projeto, começamos a corrigir a injustiça social por meio da educação. Essas crianças, de famílias carentes, vão ter a mesma oportunidade de desenvolver suas habilidades e talentos com diversas atividades educacionais", disse secretário municipal de Educação, Gabriel Chalita.

Ainda segundo a pasta, a consulta aberta sobre o projeto recebeu mais de 50 mil contribuições da comunidade escolar. "Nenhuma ideia dá certa quando é imposta, por isso esse projeto foi construído com os professores, diretores e pais", afirmou Chalita.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EducaçãoX