ProUni e o ensino privado

Estadão

03 Julho 2011 | 15h48

Ganhei uma bolsa integral do ProUni para cursar Biomedicina em uma faculdade particular do Rio. Achei legal ter conseguido, mas resolvi não me matricular na instituição. Foi uma decisão tomada a partir da situação da maioria das instituições de ensino superior privadas do País.

Fico indignado com a qualidade dos cursos oferecidos por algumas particulares. Bem aquele estilo “pagou, passou”. O diploma é importante, mas que tipo de atuação na sociedade terá o profissional que não teve o devido preparo na sua época de acadêmico?

O crescimento de ofertas de vagas não está ditando o mesmo ritmo para a melhoria do setor. O ProUni é importante para a inclusão de pessoas com baixa renda no ensino superior. Questiono o programa ao pensar o quanto essas pessoas vão realmente sair preparadas da faculdade optando por esse caminho. De alguma forma, ele nivelou por baixo a qualidade das vagas ofertadas.

O mercado e o interesse enorme nos lucros ameaçam a credibilidade do ensino brasileiro. Claro que existem talentos provenientes de particulares, mas o número que advêm das universidades públicas é bem maior.

Existem, sim, boas instituições privadas que merecem todo o crédito de se preocuparem com a vida pós-formado do aluno. Para ser considerada de qualidade, a instituição é avaliada em quesitos como infraestrutura, metodologia e corpo docente, imprescindíveis na formação de excelência.

Por acreditar que a instância particular de ensino superior ainda tem muito a crescer, apesar dos avanços em corpo docente, infra-estrutura e qualidade, achei melhor me esforçar mais um pouco e tentar uma vaga em uma boa universidade federal.

Ederson Oliveira é vestibulando e faz curso técnico em enfermagem