A epopeia do visto

Estadão

22 Junho 2011 | 11h24

Nos últimos meses tive de organizar uma série de documentos, além de lidar com o problema do visto americano. Estou indo para um “sanduíche“, um estágio no exterior no meio do meu doutorado no Brasil. Vou passar 3 meses em uma universidade próxima de Nova York, onde irei aprender a usar um modelo novo para desenvolver melhor as pesquisas desenvolvidas no laboratório onde trabalho.

Vou comentar o processo todo em partes (leva até 6 meses para conseguir tudo), para que vocês conheçam todos os detalhes importantes. Hoje falarei sobre o visto para os EUA. Para minha situação, o visto é o J-1, para intercambista e alguns tipos de trabalho (como residência médica). Para obtê-lo você precisa primeiro ter um documento da universidade onde irá trabalhar, o que leva de um até alguns meses. Por sorte, o meu só levou um mês!

Depois disso você deve marcar uma entrevista no consulado (sempre no período da manhã), aí você precisa pagar três taxas – uma para marcar a entrevista, outra do visto J-1 e uma última em um site direto para os EUA. Eu esqueci da última, mas pude voltar no mesmo dia para completar o processo. A entrevista foi simples. O entrevistador me perguntou se eu falava inglês e depois mais algumas perguntas sobre o que eu ia fazer lá em inglês, e aqui voltamos àquele meu post sobre o inglês.

Depois disso é só esperar o passaporte chegar e está tudo pronto, você já pode comprar sua passagem. Esse visto permite que você fique nos EUA por até dois anos, mas você deve ficar no Brasil por um período mínimo de dois anos até pedi-lo novamente. Se você pedir um short stay (que tem duração de até 6 meses), aí essa regra não se aplica. Abraços e até o próximo post, que vai ser mandado dos EUA!

Bruno Queliconi é doutorando no Instituto de Química da USP

Mais conteúdo sobre:

bruno queliconidoutoradoRotinaUSP