Bullying de jaleco

Estadão

04 Outubro 2010 | 08h00

Semaninha complicada! De todas as dificuldades e obstáculos que tive e tenho que enfrentar como pós-graduanda, nenhum havia me deixado tão envergonhada quanto os dessa semana. Fui vítima de um tema da moda: o bullying.

Difícil acreditar que em um meio reconhecido mundialmente como um nicho de
grandes pensadores e pesquisadores, uma pós-graduanda tenha que passar por
uma sessão de constrangimentos e ironias agressivas, pois “profissionais” de outra
categoria sentiram-se subjugados a dividir o mesmo espaço com profissionais de
categoria inferior (na opinião deles).

Tudo aconteceu durante um debate científico, onde fui convidada a participar como
integrante da equipe. As coisas corriam muito bem e por vezes me vi cercada por
semblantes simpáticos às minhas idéias. Até o momento em que minha categoria
profissional foi revelada. Momentos de tensão seguidos por comentários grosseiros e
rostos de decepção por eu ser enfermeira. E a gente achava que o bullying era assunto
para as pedagogas de ensino fundamental!

Bom mesmo seria se essas pessoas voltassem para o jardim de infância. A verdade é
que a sabedoria não está exposta nos altos egos da pós-graduação, mas bem ali, na
caixa de areia da escolinha. Ouvir lições como: reparta as coisas; limpe a bagunça;
jogue limpo; não bata nos outros; diga que sente muito quando machucar alguém.
Aprenda um pouco, pense um pouco, desenhe e pinte e cante e dance e brinque e
trabalhe um pouco… todos os dias. Lembre-se sempre do feijãozinho no algodão
– as raízes crescem para baixo e a plantinha evolui para cima. Talvez, tudo o que
essas pessoas precisem aprender está lá… regras básicas de convívio social, empatia,
princípios de higiene, ética, ecologia, política e saúde.


Bem, depois de ficar imaginando todos eles sendo castigados pela tia e tendo sua
hora de parquinho ceifada, fiz minhas considerações finais sobre o tema abordado no
debate e coloquei-me à disposição para maiores esclarecimentos, inclusive sobre giz
de cera!

Mariana é enfermeira e pós-graduanda da USP

Mais conteúdo sobre:

bullyingenfermagemmédicos