A nova ECA-USP

Estadão

20 Outubro 2010 | 10h45

Com tantos movimentos de construção e reforma de estádios brasileiros para a Copa do Mundo de 2014, a Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP também decidiu entrar no clima e construir sua nova sede (teoricamente) até essa data.

Podemos chamar isso de uma nova era? Não, não… Trata-se, na verdade, de uma tentativa de promover um novo espaço arquitetônico que tente suprir as carências da atual estrutura que, acreditem, não é tão comunicativa. Pode parecer irônico, mas a ECA é feita de partes que não estão tão integradas fisicamente – os espaços não dialogam muito, já que estão encastelados em seus departamentos de Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade, Música e Cinema, por exemplo. Segundo alguns professores, é necessário também um maior espaço para exposição de trabalhos e são necessários mais auditórios e novas salas.

O projeto não se trata de uma reforma, mas de uma reconstrução mesmo, levando a escola inclusive a mudar de endereço: a nova ECA vai atravessar a rua e se edificar, com um orçamento que já conta com R$ 3 milhões, onde hoje ficam os “barracões” (núcleos de pesquisa e administração onde, segundo o Manual dos Bixos, “algum bixo se inscreve em um estágio massacrante”).

Os alunos têm apresentado opiniões bem diversas sobre o novo projeto. A maioria acredita ser bem pouco provável a sua construção até 2013 ou 2014; outros afirmam que há prédios na USP antes da ECA com estrutura bem mais precária e que necessitam de reformas mais urgentes, como a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), por exemplo. Outros acreditam ser bem interessante a proposta de um prédio mais comunicativo e integrado, principalmente para seguir as tendências da USP em tentar promover maior interdisciplinaridade, já apontadas em outro post.

As discussões prosseguem. Se o prédio da ECA precisa de mais comunicações e artes, esperamos que haja bastante comunicação até a decisão final, para não ser necessário que na última hora nenhuma operação seja abortada… (melhor evitar essa palavra), ou melhor, para que nenhuma operação seja cancelada em razão de mudanças de opinião de última hora.

Leandro é aluno do 1º de Jornalismo da ECA-USP