As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Taxista na Madeleine Ville

Redação

21 Abril 2012 | 19h50

CorrendoAtras_Taxista_600.jpg

* Por Lorena Amazonas, especial para o Estadão.edu

O taxista Elbert Daniel da Silva Novaes, de 32 anos, descobriu um filão na região onde faz ponto, na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo. “Muitos clientes são estrangeiros e grande parte não fala português”, diz. “Vários chegam com o endereço anotado num papel, porque sabem que é difícil encontrar taxistas que falem inglês.” Por conta disso, Elbert decidiu se matricular em um curso de inglês criado especialmente para taxistas na Virginia Center School. “Minha turma tinha só eu e mais um colega. Mas ele teve que parar.” Por conta disso, Elbert só assistiu aula por três meses. “Agora estou aguardando mais alguém se matricular para dar continuidade ao curso.” Mesmo com pouco tempo de aula, o taxista já sente que fez algum progresso. Pretende ao menos aprender o básico para se comunicar com clientes estrangeiros. “Às vezes eles querem marcar alguma corrida, fazer alguma coisa diferente e, sem falar inglês, não consigo fazer isso.”

VEJA TAMBÉM

Correndo atrás do inglês
Veja os motivos de outros 10 brasileiros para estudar a língua