As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Professor do Etapa diz que duas questões de física têm formulações confusas

Redação Estadão.edu

03 Novembro 2012 | 20h18

O coordenador de física do Etapa, Alexandre Lopes Moreno, viu aumento no grau de dificuldade da prova do Enem em 2012. Segundo ele, a principal diferença é que as questões de física exigiram uma quantidade maior de cálculos. “Houve época em que 90% das questões não exigiam contas. Há uma aproximação da primeira etapa da Fuvest”, comenta.
 
Para ele, a formulação de duas questões de física poderiam trazer dificuldade extra para os candidatos. O enunciado da pergunta 77 do caderno azul, que envolvia a densidade de um legume, pode ter confundido os alunos. Segundo Moreno, a diferença é que na pesquisa da internet mencionada na questão a densidade do legume é metade da que possui a água. No mesmo enunciado, entretanto, é citado que o legume fica um terço para fora da água quando submerso. “Isso pode causar dúvida, porém o mais provável é que o aluno chegue na resposta correta”.
 
A segunda pergunta problemática foi a 54 do caderno azul. De acordo com Moreno, o teste em caminhos distintos de cálculo pode terminar em várias respostas diferentes. “Mas não prejudica o aluno porque os outros resultados possíveis não aparecem entre as alternativas”, explica. Para ele, nenhuma das duas questões polêmicas deve ser anulada porque em ambas era possível encontrar as opções certas. 
 
Alexandre Lopes Moreno ainda informou que é louvável o aumento do nível de dificuldade da prova para refletir melhor o conteúdo do ensino médio. “Antes havia pouca necessidade de cálculo nas questões e a ênfase era no tema energia. Nos últimos três anos, a prova tem ficado mais abrangente”, afirma. 

Mais conteúdo sobre:

enemetapaFísicaprovavestibular