As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para Cursinho da Poli, faltou interdisciplinaridade na prova da Unicamp

Redação

13 Novembro 2011 | 21h59

A primeira fase do vestibular da Unicamp teve nível de dificuldade médio, questões contextualizadas e pouca interdisciplinaridade. Essa é a avaliação geral dos professores do Cursinho da Poli. Veja o que eles disseram sobre cada disciplina:

Biologia. ”Não houve uma intenção interdisciplinar”, diz Edson Futema. O professor sentiu falta de questões sobre atualidades e dá uma dica para a segunda fase: “Não caiu evolução, assunto que sempre é abordado. O aluno deve estudar o assunto, que deve aparecer na próxima etapa”.

Física. Questões “sem graça”, na opinião de Bassan Ferdinian. “Este ano a Unicamp decepcionou, com um vestibular sem criatividade e pragmático. Uma prova que rema contra a tendência da interdisciplinaridade, simplesmente cobrando cálculos”, diz o professor.

Química. O professor Hamilton Bigatão diz que a prova foi “fácil” e não houve preocupação com a interdisciplinaridade. “A prova foi simples em termos de cálculos e a ligação com outras áreas, além da química, deveria ter sido mais bem explorada”.

História. Este ano, a prova não fugiu do padrão e deu mais espaço para questões de história geral do que para história do Brasil. O professor Elias Feitosa diz que o exame foi “puxado” e houve integração com filosofia e sociologia nas questões.

Geografia. Para o professor Alexandre Enear Gobbis, a prova teve “alguma interdisciplinaridade, mas não o que se esperava”. A prova teve grau de dificuldade médio para alto, segundo ele, e o professor aposta em questões ligadas a temas da atualidade na segunda fase.

Matemática. Para a professora Thaís Oliveira, o exame exigiu bastante raciocínio lógico do candidato. “Todas as questões apareceram na prova com um bom contexto, com uma abordagem prática e objetiva.”

Redação. Caroline de Souza Andrade destacou que os temas dos três textos a serem realizados, voltados para internet, valorizaram o perfil do candidato “inteirado com o mundo atual” e estabeleceram um diálogo com o tema do Enem. “O exame surpreendeu e trouxe uma novidade, a formulação de um verbete. O candidato que tem contato com a internet consegue realizar o que foi pedido com auxílio do conteúdo oferecido como suporte,” comentou.