O Dia das Crianças e o Novo Enem
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Dia das Crianças e o Novo Enem

Redação

13 Outubro 2009 | 07h47

“Já que, por enquanto, o Enem não resolveu dar uma “aparecida”, o nosso feriado do 12 de outubro foi tranquilo e despreocupado como a consciência de uma verdadeira criança!

Por falar nisso, a novela sem fim do Novo Enem está cada vez mais se transformando numa brincadeira de criança!

Em primeiro lugar, o Enem desrespeitou a sua Habilidade nº 1 (dominar a norma culta da Língua Portuguesa) ao escrever, numa mesma questão duas vezes a palavra “porquê” tudo junto, quando deveria ser separado – confusão típica que as crianças fazem e que, geralmente, não se espera dos especialistas nas Linguagens, Códigos e suas tecnologias!

Além dessa, o Enem não foi bem sucedido na Habilidade nº 3 (selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações de diversas formas para tomar decisões e enfrentar situações-problema) dado que eles não analisaram completamente a tabela que trazia a data de todos os vestibulares e escolheram uma que coincide com o exame de várias instituições, como a FGV, a Cásper Líbero, a UnB, as Fatecs, a UFSC e a UEL. Quem mandou eles não obedecerem a sugestão dos professores de ler as tabelas com calma para evitar decisões errôneas?!

Outra habilidade, cuja nota do Enem também foi zero é a de nº 4 (relacionar informações para construir argumentação consistente), uma vez que até hoje nenhuma argumentação consistente foi apresentada que nos convencesse de todo esse transtorno causado por uma prova que almeja, um dia, substituir o vestibular, ganhando o âmbito nacional! O Enem perdeu toda a credibilidade e consistência, o que afastou ainda mais a possibilidade de se tornar o “Enenzão”, como muitos afirmavam!

Por último, o Enem foi reprovado igualmente na habilidade de nº 5 (recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade) dado que os estudantes de escola pública estão indo às ruas afirmando que foram “enenganados” e perderam uma pontuação que poderia lhes ser favorável no Inclusp, por exemplo – onde está a solidariedade aí?

Enfim, crianças desse meu Brasil, aproveitem enquanto vocês são crianças e não precisam se defrontar com as faltas de habilidade do “Enem”, brinquem, cultivem a amizade, sorriam bastante, sejam felizes, pois o Enem não é, como ele afirma, um “ensaio para a vida”; a infância que é!”