As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Evento em Curitiba discute estratégias para melhorar ensino no Brasil

Redação Estadão.edu

06 Agosto 2013 | 22h55

O primeiro dia do Salamundo, evento internacional de educação que termina nesta quarta-feira, 7, em Curitiba, foi marcado pela discussão do papel do professor no ensino e as estratégias para melhorar a educação no País.

Mais de 2.300 professores, alunos e pesquisadores se reuniram nesta terça, 6, para discutir os problemas do setor. A diretora de escola Maristela Monteiro, por exemplo, interrompeu uma viagem de férias aos EUA para comparecer. “Eu não perco de jeito nenhum. Sequer tive sequer tempo de passar em Extrema, em Minas Gerais, onde moro. Despachei as malas e vim direto”, afirmou.

Entre os palestrantes mais aguardados estavam o Ministro da Educação, Aloizio Mercadante,  o jornalista do The New York Times Paul Tough, além dos pesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora Tufi Machado Soares e Mariana Calife, o pesquisador e filósofo colombiano Bernardo Toro, e secretários e ex-secretários de educação do País.

Ao Estado, Raquel Teixeira, ex-secretária de Educação de Goiás, afirmou que teve de enfrentar tanto chefes do tráfico locais quanto partidos políticos que comandavam a distribuição de cargos em escolas em 1999, quando assumiu o cargo, para reestruturar o sistema estadual. Ela promoveu um curso para capacitação de candidatos a diretores de escola e os três docentes mais qualificados participaram de eleições diretas na comunidade. “Mostrei aos professores que eles são mais importantes que os políticos e que o compromisso da escola é com a comunidade”, afirmou. Raquel participou da mesa redonda “Experiências na gestão que mudaram a sala de aula”.

Também participou desta palestra a secretária municipal de educação do Rio de Janeiro, Claudia Costin. Ela implantou na cidade 29 ginásios experimentais, que levam à sala de aula a tecnologia da informação, com uso de tablets e smartphones.   O projeto modelo é a Escola Municipal André Urani, na Rocinha, onde funciona o Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais (GENTE). “No Gente, nós decidimos ir muito mais longe, colocando achados da neurociência. Ele recupera a ideia de que a educação é um processo individualizado”. A ideia, segundo Claudia, é levar o modelo da Rocinha, onde não há paredes entre as salas ou divisão de alunos por idade e série, para todas as escolas municipais do Rio.

Já Hugo Barreto, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, afirmou na palestra “A sala de aula na tela – o ensino pela televisão” que o uso da tecnologia na sala de aula é capaz de despertar nos alunos mais desinteressados a vontade de aprender.  Ele exibiu vídeos de atores e jornalistas reconhecidos como Antonio Fagundes e Marília Gabriela dando aulas do Telecurso 2000 na década de 1990 e que provocaram surpresa na plateia.

Barreto disse ainda que em Estados como o Amazonas, o modelo do Telecurso, implantado principalmente em turmas onde há um atraso na educação, chama atenção até dos alunos de classes regulares. “Secretários de educação de alguns Estados chegam a nos ligar contando que os alunos querem esse modelo de aula mais atualizado, que usa videoaulas com o apoio dos livros. Ainda falta no País professor habilitado a lidar com todas as novas tecnologias, não apenas o uso da imagem ou do celular. E os jovens docentes que chegam no mercado não atendem toda a demanda”.

Entre os palestrantes desta terça estavam ainda o diretor da Saint Andrews School, na Flórida, Robert Bouressa, a vice-coordenadora do Centro de Instrumentação em Tecnologias Interativas, Roseli de Deus Lopes, e os médicos Ricardo Guimarães e  Marcia Guimarães, que falaram sobre a Síndrome de Irlen.

Confira abaixo o calendário do evento para esta quarta-feira, 7:

8h – Recepção e boas-vindas ao Teatro Positivo

8h30 – Palestra de abertura: “Autoridade e Disciplina”
Mensagem exclusiva -gravada em Paris – por André Comte-Sponville e Luc Ferry, apresentada e comentada por Luca Rischbieter
9h30 – “O peso e a importância dos fatores não cognitivos”
Viviane Senna, presidente do Instituto Ayrton Senna
10h15 – Coffee break
10h40 – “Como lidar com o bullying”
Luciene Tognetta
11h10 – “O que faz uma boa escola?”
Francisco Soares e James Ito-Adler
12h – Encerramento