As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estudante que tenta prova de Medicina pela terceira vez se diz mais confiante

Redação Estadão.edu

25 Novembro 2012 | 13h52

* Por Ricardo Brandt

CAMPINAS – A estudante Drieli Padovini, de 19 anos, chegou uma hora antes da abertura dos portões no Colégio Liceu, em Campinas, para tentar pela terceira vez ser aprovada no vestibular da Fuvest, que realiza neste domingo a sua prova da primeira fase. Ela tenta uma vaga em Medicina, curso que esse ano voltou a ser o mais concorrido, com 56,43 candidatos para cada uma das 275 vagas.

“Acho que essa vez estou preparada. O mais difícil para mim é o conteúdo direto da questões da Fuvest. Na prova da Unicamp as questões são mais interpretativas”, afirmou Drieli, antes de entrar para a prova, que começou às 13h.

Thaís Zogheib Elid, de 18 anos, que tenta também uma vaga em Medicina, fez por dois anos a prova para treinar, durante o colegial. “Meu problema maior vai ser com as questões de exatas. Prestei também para a Unesp, mas acho a prova da Fuvest mais complicada”, afirmou a estudante, que mora em Indaiatuba e esperava a abertura dos portões ao lado da mãe, Nazira. “Ela até que é tranquila, a mãe fica mais nervosa”, brincou Nazira.

Mais de 159 mil estudantes participam neste domingo, 25, da primeira fase da Fuvest, que neste ano selecionará 10.982 alunos para a Universidade de São Paulo (USP) e outros 100 para o curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Também fazem a prova 21,5 mil treineiros, que não vão terminar o ensino médio neste ano e, portanto, não concorrem às vagas.

Lucas Gianetti, de 18 anos, tenta pela primeira vez uma vaga no curso de Engenharia Elétrica. “Meu problema maior deve ser com biologia. Mas os tipos de questões da Fuvest, que são mais diretas, acho que nessa área facilita”, afirma. A amiga Laís Jacconi, de 19 anos, que tenta uma vaga em Biologia, acredita que a maior dificuldade das provas da Fuvest são as questões da área de exatas. “Vai melhor quem já tem facilidade com essas matérias”, afirmou. Os dois viajaram de Serra Negra, no Circuito das Águas, para fazer a prova em Campinas.

Já o estudante Ettore Godoy, de 17 anos, tenta pela primeira vez uma vaga em Direito. “A Fuvest é a prova mais difícil para mim. Não sei se vai dar para passar, acho que não estudei o suficiente.”