As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em Campinas, candidatos têm impressões variadas sobre a prova

Redação Estadão.edu

25 Novembro 2012 | 17h41

* Por Ricardo Brandt

CAMPINAS – Em Campinas, os candidatos da primeira fase da Fuvest começaram a deixar o Colégio Liceu, um dos locais de prova, assim que os portões foram abertos às 16h. O estudante Fernando Peixoto, de 18 anos, que tenta uma vaga para Medicina na USP, afirmou que a prova foi fácil nas questões de História e Geografia. “Teve bastante história relacionada a colonização espanhola, questão do índio. E em Geografia um dos temas pedidos foi fuso horário.”
Para ele, o ponto difícil da prova foi Matemática. “Com 90 questões, havia muita solução para problemas de Matemática, o que dificultou um pouco.”

A estudante Larissa Targa, de 19 anos, que tenta uma vaga em Administração, disse também que teve melhor desempenho em História. “Teve questões que tratavam sobre o período dos escravos.”

A primeira fase da Fuvest acaba às 18h, mas muitos candidatos já deixaram as escolas. A estudante Giulia Orsi, de 18 anos, avaliou que a prova estava boa, mas “difícil e cansativa”. “Caíram muitas questões de Química e Física que eu não tive no colegial”, explicou a estudante, que não fez cursinho.

Em Literatura, a estudante Fabiana Barbosa, de 17 anos, que tenta uma vaga no curso de Medicina, afirmou que uma das questões era sobre o livro Capitães de Areia. “Os demais livros pedidos, eu não tinha lido e acabei indo mal.”

Para ela, a prova foi fácil nas questões de Biologia, em especial as que trataram sobre botânica.