Dos Brics a como bacharéis em RI podem atuar em empresas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dos Brics a como bacharéis em RI podem atuar em empresas

Redação

19 Abril 2013 | 23h34

A aluna das Faculdades Integradas Rio Branco Jenny Lai acompanhou ontem o segundo dia do Encontro Nacional de Estudantes de Relações Internacionais (Eneri) 2013. O evento aborda o tema “Brasil Global Player”. O blog do Estadão.edu está publicando as impressões de alunos de diferentes universidades. Confira o relato de Jenny:

LEIA TAMBÉM: FHC faz palestra em evento de estudantes RI

“O cronograma do segundo dia do Encontro Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais (Eneri) foi marcado por palestras enriquecedoras, que abordaram temas diversificados, voltados para as relações internacionais no âmbito público e privado. As explanações dos profissionais proporcionaram um maior entendimento das diversas áreas de atuação no mercado de trabalho. Concomitantemente a esse evento, houve a segunda reunião anual do Conselho Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais (Coneri), onde os conselhos institucionais (Cieris), das faculdades de todo o Brasil, discutiram assuntos pertinentes para a conduta e crescimento do curso.

Pela manhã, o primeiro tema foi “O profissional de RI e a diplomacia corporativa”, com a presença dos internacionalistas Rodrigo Cintra, Sérgio Pereira e Fabio Rua, que contaram sobre as suas experiências profissionais, aconselhando os jovens estudantes que estão se inserindo no mercado sobre a relevância de fazer estágios e atividades extracurriculares durante a universidade. Eles também responderam a perguntas sobre o campo de trabalho no setor privado.

Depois o ex-ministro das Finanças da Argélia Abdellatif Benachenhou falou de Primavera Árabe e crescimento do nacionalismo nos países árabes, o que impulsionou o desenvolvimento social e a diversificação da economia. Ele destacou acontecimentos importantes, como a queda do Muro de Berlim e o fim da guerra entre ocidente e oriente. O ex-ministro também abordou alguns fatores que levaram à instabilidade política no mundo árabe, mas disse que, apesar disso, o panorama é otimista com a demanda democrática em alta, a mudança da mentalidade da população, o potencial para realocação dos recursos e a reintegração árabe. Benachenhou finalizou com questionamentos sobre o que o Brasil poderia fazer para ajudar os outros países emergentes, se os progressos sociais brasileiros atingissem o país como um todo, além das capitais, e se o país tivesse consciência sobre seus concorrentes no cenário internacional.
Houve ainda uma aula sobre as teorias das relações internacionais com o professor Daniel Jatobá, que comentou sobre as produções acadêmicas, a crescente abertura para as outras disciplinas e a essência das teorias para entender o que acontece no mundo, bem como as respostas práticas dos agentes sociais para com essas questões atuais.

A explicação dos efeitos da economia mundial sobre o Brasil foi dada pelo professor Roberto Macedo, que expôs as crises recentes e como elas atingem o nosso País, através de gráficos, para uma análise mais conceituada que pode justificar melhor os seus argumentos de viés econômico.

No período da tarde, a palestra inicial “As vantagens de ser um Brics” teve a participação do embaixador do Brasil na África do Sul e do presidente da Fundação Alexandre de Gusmão (Funag), José Vicente de Sá Pimentel; do embaixador do Brasil na China, Clodoaldo Hughueney, e do professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) Oliver Stuenkel, na qual foi abordado o pensamento da política externa dos países que compõem o Brics, o posicionamento da China nesse bloco, os instrumentos para o desenvolvido do Brasil. Eles disseram que é preciso reaver o nosso posicionamento estratégico. Também falaram da importância do Brasil sediar a 6.ª cúpula dos Brics, em 2014, da cooperação entre esses países para o cenário internacional, do impacto de uma possível criação de um banco central para o bloco e se os países irão se sobressair na fase inicial para a consolidação como atores relevantes na redefinição da ordem mundial.

Em seguida, o debate foi “Multinacionais: o jeito brasileiro de fazer negócio”, moderado por Júlio Moreira, professor da ESPM, e que contou  com a discussão entre o consultor especialista em internacionalização de negócios Fernando Dourado, o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e do vice-presidente da BR Foods, Wilson Mello Neto, que falaram sobre experiências empresariais e a expansão internacional das empresas brasileiras, finalizando com um recado para os estudantes que almejam trabalhar fora do País.

Para finalizar mais um dia de encontro, tivemos a presença ilustre do jornalista e apresentador do Jornal da Globo, William Waack, na palestra magna da noite, que nos proporcionou uma aula de excelência sobre a política internacional e uma motivação para a nova geração fazer a diferença pelo País. Ele instigou o público a pensar sobre os elementos que o Brasil precisa para uma maior inserção internacional em meio as transformações atuais e as crises, e finalizou com uma solução para a crítica sobre a falta de ambição brasileira em prol do crescimento internacional, sugerindo assim, uma reforma do sistema político.

É de suma importância para o desenvolvimento do curso de Relações Internacionais no Brasil e para os acadêmicos terem a oportunidade de participar de um grandioso evento como esse, onde são discutidos assuntos relevantes para essa área, que promove a integração dos estudantes de todos os Estados. Através dessa experiência, é possível adquirir mais conhecimento, elemento fundamental para a formação acadêmica, além de agregar perspectivas de profissionais relevantes, para as relações internacionais no País.”

Mais conteúdo sobre:

enerirelações internacionais