As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Deputados estaduais do PT visitam DP onde estão alunos da USP

Redação

08 Novembro 2011 | 21h20

* por Carlos Lordelo

SAO PAULO – O deputado estadual João Paulo Rillo (PT) chegou por volta das 19h30 ao 91º DP para acompanhar o trabalho da polícia, que ouve depoimentos de dezenas de estudantes que ocupavam o prédio da Reitoria na manhã desta terça. “Estamos aqui para garantir o respeito à democracia e aos direitos humanos”, disse Rillo, membro da comissão de educação e cultura da Assembléia Legislativa. Ele veio junto com outros dois deputados petistas, Adriano Diogo e Telma de Souza. Mais cedo, à tarde, o deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL) também tentou negociar com a polícia.

O que o senhor veio fazer aqui?

Conversamos com o delegado Dejair Rodrigues para saber qual foi o procedimento, e tentamos dialogar no sentido de rever o valor da fiança, uma vez que todos estão sento interrogados. É desnecessária essa fiança, mas o delegado diz que é um ato administrativo da delegada Maria Letícia Camargo, da central de flagrantes, e ele avaliza.

O que o senhor achou da ação da polícia?

Nãa estamos aqui para fazer juízo de valor.  Não estive na USP, mas achei que os estudantes ficaram aqui por um tempo prolongado demais. É  desnecessário os alunos ficarem até agora (19h30), já que nenhum deles tem problemas com a Justiça. Eles foram tratados com ‘cuidado desnecessário’ (procedimentos demais).  Não são criminosos e não representam ameaça à sociedade. Participaram de uma manifestação pontual – independentemente se estavam certos ou errados.

Qual a importância de deputados acompanharem o trabalho da polícia?

A gente representa um Poder constituído. Nada mais natural que a presença de parlamentares, independentemente da afinidade partidária, do lado de cada um nessa história. Eu ficaria muito feliz se viessem deputados do PSDB também. Aqui tem estudantes de uma universidade absolutamente importante pra o Brasil.

* Corrigido às 12h09 de quarta-feira. O sobrenome da delegada é Camargo, não Carvalho