As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Coordenador do Anglo critica vestibular da Unifesp

Redação

17 Dezembro 2010 | 18h55

O coordenador geral do Anglo, Nicolau Marmo, criticou duramente o modelo do vestibular misto da Unifesp, que passou a valer este ano. Por esse sistema, serão selecionados 628 alunos para sete cursos de graduação. A nota final do candidato é composta por sua pontuação no Enem e nas provas aplicadas pela Unifesp.

Segundo ele, o modelo não serve para escolher ingressantes em carreiras como Medicina, a mais tradicional da universidade, pela abrangência das provas.”O Enem é um Frankenstein, não consegue avaliar o ensino médio nem selecionar direito para a universidade”, afirmou Marmo. “O exame não é abrangente. Ele apenas monta uma prova a partir de questões fáceis, médias e difíceis.”

O professor também reclamou das provas da universidade. Ontem, todos os candidatos fizeram 30 questões de múltipla escolha de português e 15 de inglês, além de uma redação. Hoje, os estudantes se dividiram em dois grupos e fizeram provas discursivas de exatas e biológicas ou de humanidades.

Responderam à prova de exatas e biológicas os candidatos aos cursos do câmpus de São Paulo (Ciências Biológicas, Enfermagem, Fonoaudiologia e Medicina) e Diadema (Ciências Biológicas e Engenharia Química). Os estudantes que fizeram a prova de humanidades disputam vaga em Guarulhos (Letras, com opção de bacharelado ou licenciatura em Português, Inglês, Espanhol ou Francês).

O exame de exatas e biológicas tinha 20 questões, sendo cinco de cada disciplina – Biologia, Matemática, Química e Física. A de humanidades, 15 questões divididas entre português, história e geografia.

“Veja Medicina, por exemplo: biologia é uma matéria fundamental para esse curso. O Enem já não é uma boa prova, e o candidato só faz cinco questões da Unifesp. A própria universidade cobra 30 questões de português. Então você vai formar médico fazendo atestado de óbito que é uma verdadeira obra literária”, disse o coordenador do Anglo. “Com o Enem e apenas cinco questões, você não consegue examinar bem uma matéria.”

Segundo Marmo, a Unifesp precisa “pensar um pouquinho na besteira que fez”.

Embora critique a quantidade de questões de cada matéria, o professor disse que as provas estavam bem elaboradas e com nível médio de dificuldade.

Mais conteúdo sobre:

Anglounifespvestibular