As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Carne bovina é para poucos

Redação

30 Dezembro 2011 | 09h17

* Por Helida Morais, de 16 anos, aluna do 1.º ano do ensino médio em Assú (RN). Faz intercâmbio na Tailândia desde julho pela AFS Intercultura Brasil

SAM_0687_600.jpg

“Tirando a saudade da minha família e do Brasil, por aqui está tudo bem. Faz uma semana que eu não ia para a escola, porque era época de provas, aí eu aproveitei para dormir um pouco mais e estudar, em casa, tailandês e inglês. Mas é chato ficar em casa e não ter com quem conversar.

292361_137108703045021_100002376767169_234581_7444722_n_1__600.jpg

Eu adoro falar tailandês com eles apesar de que na região que moro falam um dialeto totalmente diferente do tailandês. Só as pessoas daqui da região entendem, mas eu não. Nem quero aprender agora. Quero ficar fluente no inglês (sou muito ruim) e no tailandês também. Eu já consigo falar e ler tailandês, mas escrevo como uma criança.

SAM_0595_600.jpg

O lugar onde estou é muito pequeno. Só tem um mercadinho em frente, não tem para onde sair. Às vezes, quando não tenho aula, saio com minhas amigas para outras cidades que ainda não conheço, e acaba sendo muito legal.

SAM_0230_600.jpg

Cultura tailandesa

Quando as crianças nascem elas passam por uma cerimônia como se fosse um batizado, embora totalmente diferente, para dar sorte ao bebê. É muito interessante:  as pessoas falam coisas estranhas, colocam fita no braço do bebê e algumas colocam dinheiro. Os pais da criança fazem uma recepção com muita gente, muita comida. Eu até tive uma quando cheguei aqui. Minha família fez para mim, mas eu não entendia nada. Achei super estranho, mas já me acostumei.

SAM_0166_600.jpg

E as pessoas aqui comem no chão, sentadas sobre tapetes de palha. Comem muito na rua e gostam de uma espécie de formiga. Este hábito não existe em todo o país, mas rola aqui na minha região e de vez em quando minha família comi. Quando vi pela primeira vez foi muito estranho! Em outras regiões eles comem abelha e tem outras onde se comem cachorros. Eu morro de dó porque amo bicho. Mas para eles é normal porque quando eu falo que como carne de boi eles ficam impressionados, porque aqui poucas pessoas podem comer carne bovina.”

Veja também:

Intercambistas contam suas experiências
Programas de intercâmbio na Ásia
Leia mais notícias sobre intercâmbio