As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aprender brincando é a proposta do Institute of Play

Redação Estadão.edu

04 Abril 2013 | 11h29

Brian_Waniewski_Segio_Castro.JPG

Brian Wanieski, do Institute of Play. Foto: Sérgio Castro/Estadão

O Institute of Play é uma instuição norte-americana que pensa na educação como um jogo, no qual o aluno adquire conhecimentos a cada etapa. É o que explica Brian Wanieski, responsável por estruturar as operações que apoiam visão, missão, valores e trabalho do instituto.

O instituto é um estúdio de design sem fins lucrativos, formado por designers de jogos, estrategistas e educadores, que criam novos modelos de ensino e aprendizado. A organização é responsável pela escola pública Quest 2 Learn, de Nova York, que integra a rede pública de ensino da cidade. Nesse modelo de aprendizado, os estudantes aprendem de forma inovadora através de jogos e desafios.

Para Wanieski, o que atrai as crianças naturalmente hoje em dia (jogos e seriados, por exemplo) não representa um desafio à escola, mas é um ponto de partida de experiências que ele considera poderosas. “Os jogos são um espaço interessante, em que o jogador tem metas e regras claras, subdivido em pequenas etapas. Não pode ser muito fácil, senão fica enfadonho, e nem muito difícil, para não estimular a desistência. A criança deve pensar estrategicamente em como chegar chegar até o resultado, e isso é ótimo em um ambiente de aprendizagem.”

A base da escola consiste na colaboração de três elementos fundamentais: o professor, que sabe o que funciona em aula; o designer do game, que torna o jogo atrativo e irresistível para o aluno; e o designer de aprendizagem, que elabora estratégias de como transmitir o conhecimento.

Além disso, Wanieski considera fundamental inserir o conhecimento num contexto significativo na vida do aluno, algo que o estimule a querer saber mais. “Não queremos que eles aprendam porque estamos mandando.”

Ao final do curso, o aluno passa por um teste final, o Boss Level, como um chefão de videogame mesmo. A atividade integra todos os alunos e analisa se o estudante aprendeu de fato e se correspondeu a todo conhecimento transmitido durante os jogos.

Mais conteúdo sobre:

transformar 2013