Professores da rede estadual de SP definem início de greve na semana que vem

Paulo Saldaña

22 Maio 2014 | 15h26

Professores da rede estadual de São Paulo também podem entrar em greve por melhorias salariais e nas condições de trabalho, a exemplo dos docentes da rede municipal da capital paulista – parados desde o dia 23 de abril. O Sindicatos dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), o maior sindicato da categoria, aprovou indicativo de greve e faz uma assembleia no próxima semana, dia 30, sexta-feira.
O ato está marcado para ao vão livre do Masp, na Avenida Paulista, e a presidente da Apeoesp, Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel, espera que a categoria vote pela greve. “Vamos deliberar se a categoria entra em greve e qual data faremos isso”, disse Bebel.

Os professores estaduais querem ampliar o reajuste previsto para este ano, que é de 7% – a ser pago a partir de julho. “Sabemos que o governo tem capacidade de chegar a 15%”, diz Bebel.

O reajuste faz parte de um pacote de reajuste fechado em 2011, que somou 42,2% de aumento divididos em 4 anos. No ano passado, o governo revisou a correção dos professores e servidores estaduais da educação depois de pressão das entidades sindicais. No lugar dos 6% previstos desde 2011, o aumento foi de 8% para corrigir perdas com a inflação. A categoria luta pela mesma coisa.

A forma de contratação dos professores temporários, da chamada categoria ‘O’, também terá prioridade na pauta de reivindicação. Atualmente, 48 mil docentes atuam nas escolas paulistas como temporários. Eles representam 21% da rede, de um total de 230 mil professores estaduais.

O sindicato espera garantir forte adesão, mesmo com o período curto para o fim do primeiro semestre. Bebel descartou articular o movimento das escolas estaduais com a greve da rede municipal. “Nosso objetivo é cumprir nossa agenda, porque o secretário de Educação (Herman Voorwald) fala que levou proposta para o Palácio dos Bandeirantes mas não avança”, diz ela. “Nosso patrão não é o Fernando Haddad. É o Geraldo Alckmin.” 

A chapa de Bebel venceu meste mês a reeleição na Apeoesp. Ela segue para o quarto mandato.

Mais conteúdo sobre:

AlckminApeoespBebeleducação