Prefeitura de SP define temas de cursos para evolução funcional de professores

Paulo Saldaña

16 Outubro 2014 | 21h07

A Prefeitura de São Paulo vai organizar a oferta de cursos para professores da rede municipal, definindo temas prioritários. Dessa forma, cursos com parceria da Prefeitura, muitos dos quais oferecidos por entidades sindicais, terão de ser aprovados e credenciados pela secretaria municipal de Educação para serem aceitos para evolução funcional.

A gestão pretende, dessa forma, induzir a formação continuada dos profissionais para temas que sejam pertinentes ao trabalho da rede. “Muitas dessas formações envolvem pressão sobre a folha de pagamento, mas não tinham repercussão na rede. Agora está definido quais são as prioridades”, disse o secretário municipal de Educação, Cesar Callegari. “Queremos até aumentar a oferta de cursos, mas que aumente com qualidade.” Neste ano, foram apresentados 120 mil títulos para evolução funcional.

A Prefeitura abriu nesta quinta-feira, dia 16, a partir de edital publicado no Diário Oficial da cidade, o chamamento público para instituições se cadastrarem na rede de parceiros que vai compor o chamado Sistema de Formação de Educadores da Rede Municipal – CEU-FOR. Poderão participar do edital instituições de ensino, fundações, ONGs, agências de cooperação internacional e entidades sindicais. A oferta de cursos da própria Prefeitura também será disciplinada por essas linhas.

A partir do ano que vem, apenas formações nas áreas de currículo, avaliação e gestão pedagógica – subdivididos em 23 temas – serão cadastrados na rede de parceiros. As linhas programáticas foram definidas, segundo o edital, nos eixos do programa do Mais Educação São Paulo, programa de reformulação do sistema de ensino na cidade lançado pela gestão Fernando Haddad (PT).


Segundo o professor Fernando Almeida, da Diretoria de Orientação Técnica (DOT) da secretaria de Educação, a medida regula as parcerias, mas não regula o que o profissional pode fazer. “Os professores continuam com a liberdade de realizar suas formação e oa área de recursos humanos avalia se o título serve para progressão”, diz.

Mais conteúdo sobre:

CallegariHaddadPT