MP e Defensoria pedem na Justiça suspensão de reorganização de Alckmin

MP e Defensoria pedem na Justiça suspensão de reorganização de Alckmin

Paulo Saldaña

03 Dezembro 2015 | 13h46

Ministério Público e a Defensoria Pública do Estado de São Paulo ingressaram na Justiça na manhã desta quinta-feira, dia 3, com uma ação civil pública para tentar suspender a implementação da reorganização da rede escolar anunciada pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB). A ação foi distribuída para a 5ª Vara da Fazenda Pública da Capital.

WERTHER SANTANA/ ESTADÃO

WERTHER SANTANA/ ESTADÃO

O eixo central da ação é o desrespeito da gestão democrática por parte do governo. “A imposição constitucional é de que mudanças educacionais sejam não só debatidas, mas construídas com com participação”, afirma a defensora pública Daniela Skromov.

O recrudescimento da violência policial contra os estudantes, a falta de diálogo da gestão também foram fundamentais para que os defensores e a promotoria ingressassem com a ação, segundo a defensoria. “O contexto mostra que as negociações foram encerradas”, diz a defensora. “O Judiciário é o último bastião. A defensoria e o Ministério Público se empenharam enormemente para conseguir pacificar essa situação, não sendo possível as instituições se furtarem a seu dever”.

Leia mais sobre o assunto:

Depois da Unicamp, Faculdade de Educação da USP repudia reorganização escolar de Alckmin

Alckmin fecha escola de tempo integral

Documento indica que SP usa só um critério para mudar rede

Desempenho está acima da média de SP em 30 das 94 escolas fechadas

Rede estadual de SP tem 15% de escolas com sala lotada

Escolas cheias têm qualidade 22% menor no ensino médio

Distrito de SP com classe cheia terá escola fechada na capital

A reorganização da gestão tem o objetivo de fechar 93 escolas e transformar unidades em ciclos únicos. O argumento do Estado é de que há salas ociosas e unidades com ciclo único têm desempenho melhor no Idesp, o índice de qualidade do Estado.

O vazamento do áudio em que o o chefe de gabinete da secretaria estadual de Educação, Fernando Padula, fala que a situação era de “guerra” e que o governo iria “desmoralizar e desqualificar” o movimento dos estudantes foi levado em conta. A ação também lança questionamentos sobre os méritos (pedagógicos) da reorganização. USP, Unicamp, Unifesp, UFABC e Unesp já se posicionaram contrários à medida. Organizações como o Cenpec e Campanha Nacional pelo Direito à Educação também se manifestaram contra o que foi anunciado.

Desde que foi anunciada pelo governo, houve uma série de manifestações. Mais de 190 escolas estão ocupadas por alunos. O estudantes passaram a ir para as ruas e vários atos foram reprimidos pela Polícia Militar. A ouvidoria das polícias quer apurar ação da PM nas ocupações de escolas.

O pedido é assinado pelas Defensoras Públicas Mara Renata da Mota Ferreira e Daniela Skromov de Albuquerque, Coordenadoras respectivamente dos Núcleos de Infância e Juventude e de Cidadania e Direitos Humanos; e pelos Promotores de Justiça João Paulo Faustinoni e Silva, do Grupo Especial de Educação; Eduardo Dias de Souza Ferreira, da Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Difusos e Coletivos da Infância e Juventude da Capital; e Patricia Salles Seguro, do Núcleo de Políticas Públicas.

O Ministério Público em Presidente Prudente já havia entrado na Justiça para interromper a reforma na cidade.

O Governo do Estado de São Paulo espera que o Ministério Público e a Defensoria participem junto com dirigentes de ensino, alunos e pais da audiência pública proposta. Estas duas entidades, certamente, podem contribuir na discussão da reorganização. A busca pelo diálogo e pela melhoria na qualidade do ensino público é o que deve nos unificar.

Desde o início das manifestações contrárias ao projeto, o governo garante que não vai voltar atrás da política anunciada. Alckmin anunciou nesta quinta que o secretário da Casa Civil, Edson Aparecido, vai assumir as negociações sobre o processo. O governo anunciou, entretanto, que a realização de uma audiência pública na próxima semana. “O Governo do Estado de São Paulo espera que o Ministério Público e a Defensoria participem junto com dirigentes de ensino, alunos e pais da audiência pública proposta. Estas duas entidades, certamente, podem contribuir na discussão da reorganização. A busca pelo diálogo e pela melhoria na qualidade do ensino público é que deve nos unificar”, defendeu em nota.

O governo não convocou ou realizou nenhuma audiência pública antes de anunciar a reorganização.
Na audiência de conciliação chamada pela Justiça, no dia 19 de novembro, o secretário de Educação, Herman Voorwald, condicionou a abertura de diálogo à desocupação das escolas. Os estudantes teriam 10 dias para discutir, apesar de o governo reafirmar que não voltaria atrás da política total – podendo mudar apenas casos pontuais.

Os estudantes presentes na audiência, por sua vez, decidiram em conjunto que só discutiriam o projeto caso fosse garantido o não fechamento de nenhuma escola e esse debate ocorresse ao longo de 2016. Não houve acordo.

A defensora Daniela Skromov afirmou à reportagem nesta quinta-feira, mais cedo, que a postura do governo reafirma a falta de diálogo e transparência. “Na audiência de conciliação, ao Estado oferecer o debate de 10 dias , parece uma confissão de que não houve diálogo”.

 

Mais conteúdo sobre:

Geraldo AlckminHerman Voorwald