Ensino a distância tem salto três vezes maior que presencial nas federais

Paulo Saldaña

05 Maio 2014 | 19h43

O número de alunos de ensino a distância (EAD) nas universidades federais teve um salto três vezes maior do que o registrado no ensino presencial. A comparação é desde 2007, quando teve início o programa de expansão na rede, o Reuni, e as matrículas na rede começaram a crescer.

Dados do Censo do Ensino Superior de 2013, obtidos com exclusividade pela reportagem, mostram que havia no ano passado 82.768 alunos em EAD em cursos de graduação das federais (de um total de 1,009 milhão). Entre 2007 e 2013, as matrículas no ensino a distância cresceram 224%, diante de um salto de 60% das matrículas presenciais.

Apesar do aumento dos últimos anos, as matrículas em EAD tiveram queda de 6,5% com relação a 2012 – quando havia 88.511 alunos matriculados na modalidade.

 

Matrículas EAD Presenciais
2007 25552 578536
2008 52126 600772
2009 73186 696693
2010 85788 763891
2011 87241 842606
2012 88511 885716
2013 82768 926746

*Apenas cursos de graduação nas universidades federais. Dados de 2013 ainda são preliminares. FONTE: MEC

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) já planeja ampliar vagas na modalidade (leia no post abaixo). O próprio ministro da Educação, Henrique Paim, vê com bons olhos a iniciativa. “É natural (vislumbrar o aumento de vagas EAD na rede federal). A tendência mundial é aumento na educação a distância”, disse o ministro em entrevista feita em São Paulo na última sexta-feira.

Os cursos EAD nas federais têm sido focados na formação de professores. O MEC vê a rede como referência para expansão desse tipo de curso. A pasta tem cautela com relação à qualidade dos cursos não presenciais – associada, segundo o ministro Paim, à própria capacidade do MEC de regula-los. “Por isso defendemos a criação do Insaes”, diz o ministro, referindo-se ao projeto de criação do Instituto Nacional de Supervisão e Avaliação da Educação Superior, em análise na Câmara.

O Insaes foi proposto pelo governo em 2012 para avaliar e regular o ensino superior no país. A entidade seria responsável por funções hoje realizadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep).

Publicamos hoje um especial sobre aumento de vagas nas federais. Também fomos conhecer a Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), que fica em Foz do Iguaçu, é bilíngue e forma a primeira turma neste ano.

Leia as matérias e assista ao vídeo:

Federais chegam a 1 milhão de alunos, mas sofrem com obras inacabadas

‘A demanda de assistência é crescente’, diz Henrique Paim

Federal bilíngue comemora 1ª turma

‘A Unila é reflexo da política’, diz pró-reitora

Unila terá Medicina e 24 novas graduações