As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

V – Visitar as escolas

Claudia Gonçalves

21 Junho 2012 | 09h53

 

Visitar as escolas não é obrigatório mas pode ser parte do processo de application. Os candidatos sempre perguntam qual o peso da visita, se realmente aumenta a chance de ser aprovado. O fato é que a grande maioria das pessoas aqui do Brasil não visita as escolas por ser caro, logística complicada, não poder sair no melhor período para fazer a visita, ou por não conhecer ninguém nas escolas que quer conhecer.  Ainda assim, estas pessoas são aprovadas.

Mas a visita, para quem a puder fazer, traz seus benefícios.  Primeiro, ajuda o candidato a ter uma visão melhor se ele realmente tem fit (se tem perfil/ se combina) com a escola, é uma forma de experimentar o que seria passar 1 – 2 anos naquele ambiente. As vantagens para o application é poder refletir isso nos essays e na entrevista. Ter a experiencia na escola ajuda a dar o colorido certo e mostrar entusiasmo com conhecimento de causa.

Algumas escolas como Wharton, Tuck, entre muitas, têm programas bem estruturados para estas vistitas, em que disponibilizam alguém do staff da escola para conversar/ entrevistar o candidato, algum aluno que acompanhará o candidato durante sua visita, participando de almoço, atividades, aulas…Obviamente, para fazer tudo isso, é necessário ter TEMPO. Não adianta querer marcar uma visita por dia para cada escola, pois fica muito superficial e acaba por não trazer beneficios. Consequencia natural: escolha bem as escolas que vai visitar e faça bem a sua parte – prepare-se.

Faça seu pré-trabalho:

Visite o website das escolas, converse com alunos atuais e já formados, faça network com pessoas que já passaram pela experiência, aprenda o máximo que puder e vá para a visita para APROFUNDAR seu conhecimento sobre a escola e experimentar como será a vida por lá.

As melhores épocas para se visitar escolas de MBA são março-abril e depois final de setembro a novembro.

Aproveito para acrescentar aqui um texto do Fábio Póvoa, (Haas, 2012) sobre visita a escolas, em que ele sumarizou brilhantemente algumas dicas importantes para aproveitar bem a visita.

 Como o candidato pode maximizar a visita à sua escola? O que um candidato não pode deixar de fazer se ele tem interesse genuíno de conhecer os valores da sua escola (sua universidade, a cidade)? Como ele pode realmente conhecer o ‘learning environment’?

Direto e reto:

  1. Faça o básico: certifique-se de ter lido o website  de Admission, acompanhado o blog dos  Ambassadors. Anote os principais pontos relevantes e de seu interesse, bem como dúvidas, a serem exploradas na visita.
    1. Em particular, conheça os “defining principles” de cada escola.  Qdo se lê à primeira vista, parece lugar comum, mas qdo se está ládá para sentir e vivenciar estes princípios na prática. Em resumo, se vc não transpirar estes princípios nos seus essays, vc não será selecionado.
  2. Aprenda a usar o LinkedIn (e a fazer cold call através dele).
    1. Conecte-se ANTES com alumni no Brazil. Vc terá a oportunidade de ouvir a experiência de quem já esteve aqui, com um distanciamento salutar, angariar infos úteis para a visita / essay, e tb. já formar seu networking para qdo da entrevista.
    2. Conecte-se ANTES com atuais brasileiros cursando o MBA. Mostre interesse, convide para um informational lunch. De repente, vc pode ser até convidado para se hospedar na cada de algum brazuca e economiza a estadia, além de passar mais tempo e aprender mais.
  3. Planeje-se para visitar as escolas DURANTE o período de aulas.
    1. Programe uma sessão com os Ambassadors.
    2. Almoce / jante / bata um papo com o(s) Brasileiro(s) já contatados anteriormente. Se possível, peça a ele para te levar para uma reunião do seu “study group” para vc ficar sentado, ouvindo o pessoal interagir e sentir o que vc vai experimentar na prática se for admitido.
    3. Assista uma aula relevante. Ou seja, não perca tempo com aulas de Estatística ou Microeconomia, que são parte do core, mas em geral são carregadas e não revelam o “learning environment” tão bem quanto aulas ou as eletivas do 2o ano.
  4. Ao final
    1. Agradeça. Todo mundo adora um Thank You note. Mas faça o de forma genuína, escreva algo que não valha para todos os Thank You notes que vc vai mandar para todo mundo. Leia-se: refira-se ao que vc realmente aprendeu / experimentou e pq. vc se sente grato.
    2. Convide para uma conexão no LinkedIn para fortalecer seu networking.
    3. Peça ao brazuca para criticar seus essays. Esteja aberto à resposta de “Eu adoraria, mas não tenho tempo”.