California dreaming – Berkeley-style
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

California dreaming – Berkeley-style

Paula Braga

19 Julho 2017 | 13h21

Às vezes é até chato. Para qualquer pergunta que você faça para um alumni/estudante de Berkeley (“o que eles buscam em um candidato para MBA?” “Como é a vida lá?” “Qual você considera o diferencial de Berkeley?), existe quase 100% de chance que ele te responda algo relacionado aos 4 Princípios de Berkeley.

 

Quer entrar em Berkeley? Esteja alinhado com os princípios.

Qual o diferencial de Berkeley? A cultura criada pelos 4 princípios.

 

E por aí vai…Seria um tédio se não fosse tão apaixonante.

Vira e mexe participo das sessões de informação das diferentes faculdades para saber de suas novidades.  No evento de Berkeley que participei nesse mês, chamou a atenção como os olhinhos dos candidatos brilhavam ao conhecer mais sobre a faculdade.  E um dos principais motivos para isso….adivinhem…..são os tais dos 4 princípios.

 

Mas afinal….quais são eles?

(a seguir, uma tradução livre de minha parte)

1-    Questione o status quo (question the Status quo)

2-    Confiança sem arrogância (Confidence without atitude)

3-    Além de você (beyond yourself)

4-     Sempre estudante (student Always)

 

Lindos, não?  Mas o que eles realmente significam?  E por que eles tornam Berkeley tão tão especial?

Eu poderia discorrer aqui a respeito de minha visão sobre o assunto, a respeito do que li nos sites, a respeito do que tenho de conhecimento dos meus clientes que passaram lá.  Mas tudo não passaria de conhecimento teórico, algo que você também pode conhecer.  O que eu considero mais valioso é entender como esses valores são de fato vividos na prática.  Como eles impactam a experiência dos alunos.  Saber de historias individuais.

Por isso, convidei 4 ex-alunos para contar de suas experiências pessoais.  Enviei as perguntas abaixo para os ex-alunos de Berkeley e a seguir, vocês poderão ler a respeito de como é viver na pele os 4 princípios de Berkeley.

 

Danilo Rodrigues MBA’12 – Question the status quo

Desafiar a ordem estabelecida é o que move Berkeley. No Brasil, a frase “ninguém nunca fez isso antes” muitas vezes é usada para tentar persuadir alguém a abandonar uma ideia ou um projeto. Em Berkeley, exatamente a mesma expressão é usada para estimular alguém a seguir com uma ideia ou projeto.

Quando voltei para o Brasil depois do MBA trabalhei em duas empresas que estavam em grandes dificuldades com seus negócios. Para salvar as empresas, foi necessário repensar e reinventar o modelo de negócio, questionar o status quo dos mercados em que operávamos para poder sobreviver. Ambos os casos foram muito bem-sucedidos e com certeza a minha passagem por Berkeley ajudou nessas transformações.

 

Fabio Ishigami MBA ’99 – Beyond yourself

Nos inesquecíveis anos que passei em Berkeley, de 1997 a 1999, convivi com um princípio fundamental para qualquer organização: a liderança baseada na ética e na responsabilidade. Este conceito era pouco difundido no Brasil e me impressionou compreender seu impacto positivo para a sociedade como um todo.

Beyond Yourself é forjar uma cultura na qual pensamos além dos nossos objetivos individuais e procuramos contribuir para a sociedade com ética e responsabilidade.

Reflito sobre este princípio todos os dias quando leio notícias sobre a grave crise moral que paralisa o Brasil há vários anos. Quando empresas e líderes focam nos seus próprios interesses e no lucro “comprado” a qualquer preço, o efeito para a sociedade é devastador. Por outro lado, fico feliz quando vejo colegas voltando de Berkeley com uma energia contagiante e a vontade de empreender com princípios voltados a criar negócios que produzam impactos positivo para a sociedade.

 

Eric Prando MBA’15– Student Always

Estudo é o fundamento sobre o qual um Mestrado está apoiado, então é fácil falar sobre como eu estudei durante meu tempo em Haas. O legal de contar estória é levando esse valor aos extremos que vivenciei. Não somente tive acesso a um campus inteiro de uma das melhores instituições de ensino do mundo, com instalações de pesquisa de referência e mentes equivalentes. Fui incentivado recorrentemente a explorar todas as possibilidades deste ambiente. Palestras com gente brilhante, nível Al Gore e Peter Thiel, visitas a laboratórios de nano tecnologia onde nenhuma palavra dos títulos dos trabalhos expostos me era conhecida e mesmo visitas “educativas” a vinícolas e cervejarias (aprendi sobre cerveja azeda!) se tornaram rotinas bacanas para conhecer e me integrar com meus colegas famintos por conhecimento. O curso acaba te doutrinando a ver o aprendizado como a base da solução para os problemas que você ainda virá a encontrar, o que conjugado com uma metodologia muito bacana de solução de problemas, te coloca num animo de querer resolver qualquer situação e olhar para as grandes questões.

Conheci muita gente que me trouxe conhecimentos inéditos e inesperados durante o curso, e também aprendi a aprender com essa diversidade toda. A coisa foi tão significativa que hoje trabalho criando um jeito de mostrar para outras pessoas como o aprendizado é a solução para os grandes problemas da vida e ajudando essas pessoas a montar planos de aprendizado para toda a vida. Entendo que ainda precisarei estudar muito e aguardo ansiosamente uma oportunidade para voltar para Haas.

 

Flavia Bicalho MBA’16 – Confidence without attitude

Sempre me julguei livre de pré-julgamentos, mas nunca tinha me colocado tanto em teste como durante esses dois anos. Não sei se é o histórico de contra-cultura do qual a universidade foi pioneira nas últimas décadas ou a própria diversidade no campus, mas nunca estive num ambiente onde se importasse menos a sua conta bancária, status, cor de pele ou origem. Independente de ser aluno, fundador de uma startup bilionária ou ganhador de prêmio Nobel (e tem vários), o que você pensa e, principalmente, o que tem a dizer prevalece sobre qualquer outro valor.

A conversa parte de “igual para igual” e essa é, de verdade, a regra. Isso faz com que as pessoas se forcem a ter ouvidos para novas idéias e serem desafiadas, independente da bagagem que carregam. Ver esse modelo em prática transformou muito a minha forma de ver relações pessoais e profissionais.

 

Se identificou? Ficou com vontade de conhecer um pouco mais sobre a escola?  Então não deixe de se inscrever nas sessões de informação que estão por vir.

Haas Information Session – Rio de Janeiro

Data: 31 de julho

Horário: 19:00-21:30

Local: Ernst & Young – Praia De Botafogo, 370 – 10 Andar

 

Haas Information Session – Sao Paulo

Data: 1 de Agosto

Horario: 18:30-21:00

Local: Cubo – Rua Casa Do Ator, 919 Vila Olimpia