Na rota do conhecimento

Na rota do conhecimento

Da praia ao manguezal, a aprendizagem ganha mais significado em Paraty

COLÉGIO MAGNO/MÁGICO DE OZ

19 Junho 2015 | 09h47

Uma parada estratégica em meio à Mata Atlântica, não só para contemplar a natureza, mas para dar significado ao conhecimento. Assim começou o Estudo do Meio para os alunos do 7º ano do Ensino Fundamental II, que antes de chegar a Paraty, percorreram a Trilha das Três Cachoeiras, em Ubatuba.

2

Por lá, observação foi a palavra de ordem. Sem deixar escapar os detalhes, nossos desbravadores entenderam na prática os efeitos do desmatamento e como a mudança na incidência de luz pode trazer novos hábitos para os animais. Em clima de investigação, a turma deu start ao Ano Internacional da Luz, da UNESCO.

Ao final da trilha, um banho de cachoeira para recarregar as energias e seguir rumo a Paraty com mais uma missão: explorar conteúdos ligados a Biologia, Ecologia, Geografia, Artes e História.

Assim como a luz, a água também recebeu atenção especial, com a coleta de diferentes amostras para análise. Uma atividade que começou na cidade e terá continuidade no Laboratório de Ciências do Magno.

Na praia, observaram espécies vegetais e animais, acompanharam o trabalho dos pescadores e com os olhos vendados protagonizaram um dos momentos mais especiais: um estudo sensorial para perceber a textura das plantas e da areia, sentir a água do mar nos pés e o vento no rosto.

A aula de Ciências teve foco prático, com uma série de equipamentos que foram levados da Escola para a viagem (termômetro, refratômetro, anemômetro). Quanta observação!

1   7

Também não faltou aprendizagem na lama, com atividades no Manguezal da Praia do Jabaquara, que contaram com uma boa dose de diversão.Os alunos ainda mergulharam de cabeça na parte histórica e, além de fazer um tour pela cidade, com a oportunidade de visitar uma construção do século XVIII, ainda coletaram informações com moradores e artistas. Um dos grupos, em especial, escolheu um artesão uruguaio e fez a entrevista toda em espanhol!

O encontro com os organizadores da Festa do Divino – um dos patrimônios “imaterias” de Paraty – foi mais um dos momentos memoráveis da viagem. A turma colocou a mão na massa e aprendeu a confeccionar o estandarte da Festa no melhor clima de integração. E por falar em festa, o banho de cultura continuou à noite, quando os alunos dançaram embalados por mais um patrimônio imaterial, os cirandeiros de Paraty, e contagiaram com alegria turistas e moradores.

3