Incubadora de projetos digitais

Incubadora de projetos digitais

Escola Lourenço Castanho

27 Janeiro 2016 | 12h00

05

Nesta era de comunicação móvel, todos nós testemunhamos o desaparecimento progressivo de obstáculos que bloqueavam os fluxos das trocas de informação. Cada vez menos a comunicação está confinada a lugares fixos e os novos modos de comunicação têm produzido mudanças em nossa concepção do tempo, do espaço, dos modos de viver, aprender, agir, engajar-se e sentir.
O potencial revolucionário deste crescente avanço tecnológico e sua capacidade de disseminação, que atinge todas as áreas e atividades de nossa sociedade e que já entrou em nossas casas, pode ser medido pela enorme receptividade de que goza junto aos novos usuários, as crianças e os adolescentes.
Portanto, a conjugação das novas tecnologias com os processos educacionais é um tema de relevância que precisa ser avaliado tanto em seu potencial interativo e transformador como também na transmissão, na aquisição de conhecimento e nos processos de aprendizagem.
Segundo o Design Thinking da Stanford D School, ensinar e aprender estarão focados nos seguintes aspectos do aprendizado no século 21: pensamento crítico, criatividade e inovação, colaboração, entendimento multicultural, comunicação, tecnologia da computação e aprendizado de carreira. Entre os objetivos da tecnologia em educação na Lourenço Castanho, podemos destacar a criação, a imaginação, a curiosidade, a colaboração e a aplicação do conhecimento, sendo propositivos, tolerando as falhas, pensando criticamente e arriscando. Todas essas habilidades e ideias, num mundo em transformação, nos ajudam a enfrentar os desafios da sociedade do conhecimento.
Por um lado, um oceano de informações que se abrem numa rede infinita de hipertextos e hipermídias, sem começo, sem fim e sem ponto de referência e, por outro lado, a necessidade da seletividade, da sistematização do conhecimento, da reflexão, da paciência, da escuta, da concentração, da troca, da ousadia, da inovação, da colaboração, da experiência, do laço afetivo e da transmissão de valores, tarefas estas que só os professores, presencialmente, podem fazer. O papel do professor, nesse sentido, é fazer a mediação entre a tecnologia e a sala de aula, inovando e incentivando novas práticas. Ou seja, esperamos que o professor seja capaz de utilizar a tecnologia educacional a fim de proporcionar a construção de um ambiente de aprendizagem significativo.
Ao mesmo tempo em que o professor é importante figura mediadora, o ensino híbrido mescla o aprendizado em sala de aula e em casa, permitindo uma personalização do conteúdo e um ritmo de aprendizado de acordo com a necessidade do aluno.

Com o objetivo de auxiliar o professor no desafio de inserir as novas ferramentas tecnológicas no processo cognitivo-pedagógico, o NIDP (Núcleo de Inovação e Desenvolvimento Profissional da Lourenço Castanho), que tem como propósito investir na formação dos seus profissionais, criou, em 2012, um grupo responsável por estudar, gerar e viabilizar projetos, trabalhos e atividades em sala de aula.
A Incubadora de Projetos Digitais da Escola Lourenço Castanho é formada por coordenadores e professores e o seu objetivo é estimular a inovação e o trabalho com mídias digitais, auxiliar o professor na busca por melhores estratégias focando a participação ativa do aluno no processo de construção de seu conhecimento.
Para disponibilizar os projetos desenvolvidos e aplicados em aula dentro ou fora da escola, criamos um site http://www.lourencocastanho.com.br/incubadora/. A ideia é oferecer um espaço onde o professor, do Ensino Infantil ao Ensino Médio, possa publicar seus trabalhos, compartilhar com a equipe o conhecimento e multiplicar os usos da tecnologia em sala de aula. Neste primeiro momento, o site já conta com a publicação de trabalhos dos professores do Fundamental II e do Ensino Médio.
Uma rápida navegação pelo site nos mostra a diversidade de propostas e trabalhos. Projetos realizados utilizando computadores Desktop, MacBook Air, Smartphones e Tablets. Neles notamos o uso de programas e aplicativos diversos, como textos colaborativos, livros interativos, hangouts, infográficos, edição de planilha, localização via web, sites colaborativos, conexão em tempo real e vários aplicativos específicos para uso em tecnologia móvel que permitem aos alunos viajarem no tempo/espaço. Ubiquamente. Esse potencial interativo, transformador e de ponta está disponível para ajudar o aluno em seu processo de aprendizagem. Assim, a Incubadora reflete a incorporação do mundo virtual, da informação, dos programas e aplicativos, que estão disponíveis na palma de nossas mãos, na educação formal.