Espaços de aprender: cidade educadora
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Espaços de aprender: cidade educadora

Instituto Singularidades

15 Setembro 2017 | 08h32

Qual é a imagem que você tem de uma escola? Se lhe fosse solicitado que desenhasse uma, como ela seria? Um prédio, com várias salas, um pátio, talvez um jardim, uma biblioteca, quadra poliesportiva… A escola é, por excelência, um importante espaço e agente dos processos de ensino e aprendizagem. Ela é responsável por promover a democratização dos conhecimentos produzidos pela humanidade. E de quais conhecimentos estamos falando? Há um grande consenso de que a escola deva compartilhar os saberes e conhecimentos necessários para formar pessoas aptas a conviver em sociedade de maneira ética, crítica e participativa.

Sendo assim, nosso sistema educacional organizou tais conhecimentos e saberes em disciplinas curriculares, cada qual garantindo um olhar sobre o mundo em que vivemos (um olhar “químico”, um “sociológico”, um “linguístico”, um “artístico”, etc.). É o mundo entrando na escola, de maneira fragmentada e sistematizada, por meio das práticas educativas. Se o objetivo é entender o mundo, por que ele deve entrar na escola ao invés do inverso acontecer? Por que a escola não vai ao mundo para explicar como ele funciona, como já sugeria o principal pensador brasileiro sobre educação, Paulo Freire?

Imagine as crianças visitando a feira, vizinha da escola, e aprendendo sobre pesos e medidas, sobre economia sustentável, sobre alimentação orgânica, sobre argumentação, sobre jornada de trabalho, sobre setorização do espaço… Tudo isso em uma simples visita à feira!! Os benefícios de uma aula dessas incluiriam engajamento, trabalho colaborativo, aprendizado significativo, interdisciplinaridade, autonomia; todos como resultados de um aprendizado por vivência.

Cidade educadora e territórios de aprendizagem

Os conceitos de cidade educadora e de territórios de aprendizagem não são novos, mas têm ganhado cada vez mais visibilidade em discussões sobre inovação na educação e aprendizagem significativa, formando para o século XXI. O Projeto Minerva Internacional, por exemplo, propõe uma formação universitária em diversos campi ao redor do mundo: os estudantes passam parte de sua formação em cidades como Buenos Aires, Nova York, Seul, São Francisco, Berlim, entre outras. Os universitários aprendem sobre o mundo no mundo. É um projeto caro, para uma minoria privilegiada, com certeza. Mas mesmo aqui, no Brasil, encontramos experiências exitosas já em diversos espaços, seja com Tião Rocha no CPDC, seja no Projeto Âncora (em Cotia), seja na EMEF Campos Salles (em Heliópolis) ou seja na Fazenda da Toca (em Itirapina, interior de SP).

Guardadas as particularidades de cada um desses projetos, todos têm em comum a concepção de que se aprende sobre a vida vivendo, se aprende sobre a sociedade estudando-a e interagindo com ela, simultaneamente; se aprende sobre o planeta observando-o e interagindo com ele. A escola tradicional, fechada em seus muros, é herdeira de uma prática pedagógica que supervaloriza a abstração, desvinculada das experiências e das vivências dos alunos. Falamos sobre a árvore: sobre sua reprodução, sobre sua importância, sobre como se alimenta e como respira, e fazemos tudo isso dentro da sala de aula, desenhando uma árvore no quadro ou projetando uma no telão da sala, enquanto árvores de verdade circundam o espaço onde nossos alunos se reuniram para aprender. É a elegia da abstração: eu aciono a imagem de uma árvore, para a aprendizagem, enquanto existe uma árvore real a poucos metros de minha aula!

Formação de professores 

Em um mundo cada vez mais conectado, no qual a democratização das tecnologias digitais tem permitido o fácil acesso a conteúdos científicos sistematizados, a aprendizagem significativa, no mundo real, apresenta-se como um caminho interessante e necessário para dar conta das demandas da contemporaneidade. No Instituto Singularidades, acreditamos em uma formação de professores que enxerguem na cidade seu potencial de aprendizagem.

Aula de literatura do Instituto Singularidades acontecendo em uma livraria.
Fonte: arquivo institucional.

Nesse sentido, quando saímos da sala de aula, não vemos essa saída como uma “visita cultural”, um “passeio”: entendemos as aulas externas como momentos fundamentais para a apropriação do conhecimento e para que nossos futuros educadoras e educadores percebam que o aprendizado faz mais sentido quando estimulado no mundo real.

Sendo assim, já fomos aprender sobre neologismos (formação de novas palavras) e estrangeirismos em um shopping center; já estudamos Barroco no Museu de Arte Sacra; já aprendemos sobre língua de contato na Feira Boliviana da Praça da Kantuta; já visitamos editoras para entender o processo de produção de material didático; fomos ao Memorial da Resistência para consolidar os estudos sobre romances que tratam da ditadura militar no Brasil, etc.

Alunas do curso de Letras do Instituto Singularidades em aula de Morfologia em um shopping center. Fonte: arquivo institucional.

Essas são algumas das ações que compõem a formação dos professores de português pelo curso de Letras do Singularidades. Nos cursos de Pedagogia e Matemática a concepção é a mesma: aprende-se em múltiplos espaços, ocupando a cidade e apresentando seu potencial educador para nossos alunos das licenciaturas.

Antenado com as demandas da contemporaneidade, o Singularidades tem, cada vez mais, se dedicado a investigar e explorar as possibilidades de aprendizagem na cidade, seja por meios das práticas em seus cursos de graduação, seja por eventos que sistematizem a discussão (como a semana temática sobre Cidades e Territórios, realizada em maio desse ano) ou seja em projetos de formação continuada, como o curso online “Extrapolando as paredes da sala de aula”, disponível para educadores de todo o Brasil.

Vivemos outros tempos, outros ritmos e outras relações com o conhecimento. A era da abstração pura nos acena da janela, dizendo adeus. O aprendizado significativo, ansioso, urgente, bate à porta e nos convida para caminharmos pelo bairro. Já está na hora da escola aceitar esse convite. Você o aceita?

Quer saber mais?

Inscreva-se no curso online “Extrapolando as paredes da sala de aula”.  Nesse curso online (20h), é discutida a concepção de cidade educadora, explorando os diversos espaços da cidade e da internet para aprendizagem nas diferentes disciplinas escolares.

Marcelo Ganzela Martins de Castro é coordenador do curso de Licenciatura em Letras do Instituto Singularidades.