Perspectivas da Educação Inclusiva

Perspectivas da Educação Inclusiva

Colégio Graphein

11 Agosto 2015 | 11h18

A perspectiva da educação inclusiva integra a proposta psicopedagógica do Colégio Graphein, promovendo o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos com diversidades. Direcionamos nossas ações para o atendimento às singularidades dos estudantes no processo educacional e no âmbito de uma atuação mais ampla na escola, orientando para a formação continuada e até mesmo no desenvolvimento de práticas colaborativas entre os jovens.

As relações interpessoais da criança com autismo na escola torna-se possível a partir da convivência compartilhada com os pares e favorece não só o seu desenvolvimento, mas o das outras crianças, na medida em que estas últimas convivam e aprendam com as diferenças. Proporcionar às crianças com autismo oportunidades de conviver com outras da mesma faixa etária possibilita o estímulo às suas capacidades interativas, impedindo o isolamento contínuo. Além disso, as habilidades sociais são passíveis de serem adquiridas pelas trocas que acontecem no processo de aprendizagem social.

Nossos educadores criam diferentes estratégias considerando que os alunos podem demandar ampliação do tempo para adequação curricular, o uso de informática ou de tecnologia assistida como uma prática cotidiana.

Nossa avaliação psicopedagógica é um processo dinâmico e considera tanto o conhecimento prévio e o nível atual de desenvolvimento do aluno, quanto às possibilidades de aprendizagem futura, configurando uma ação psicopedagógica processual e formativa que analisa o desempenho do estudante em relação ao seu progresso individual, prevalecendo na avaliação os aspectos qualitativos que indiquem as intervenções psicopedagógicas do professor, de acordo com a recente Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.

Nosso atendimento educacional especializado tem como função identificar, elaborar e organizar recursos psicopedagógicos e de acessibilidade que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos, considerando suas necessidades específicas. As atividades desenvolvidas no atendimento educacional especializado diferenciam-se daquelas realizadas na sala de aula comum, ou seja, esse atendimento complementa e/ou suplementa a formação dos alunos com vistas à autonomia e independência na escola e fora dela.

Dentro de nossas atividades de atendimento educacional especializado disponibilizamos programas de enriquecimento curricular, o ensino de linguagens e códigos específicos de comunicação e sinalização e tecnologia assistiva.

Para nossa equipe docente, destacamos a dimensão subjetiva do processo ensino-aprendizagem. Defendemos que a sensibilidade, vinculação afetiva e expressão por parte dos profissionais colaboram no processo de formação dos educandos e é importante que o planejamento educacional esteja contextualizado com a realidade onde a criança/adolescente esteja inserida. Citamos alguns critérios para uma flexibilização e operacionalização da inclusão dos autistas em nosso colégio:

 

1)      Conhecer as características da criança e prover adaptações curriculares necessárias.

2)      Treinamento contínuo de nossos educadores.

3)      Tendo em vista que os autistas podem possuir diferentes estilos e potencialidades, preparamos nossos educadores para acesso aos diferentes programas voltados a comunicação alternativa.

4)      Nossos instrumentais avaliativos são adaptados para o alunado em questão.

5)      Promovemos uma regularidade especializada no trabalho motor, além de atividades socializadoras.

6)      Somos parceiros e valorizamos os apoios terapêuticos.

 

A educação é, portanto, indispensável à criança autista e cabe-nos ampliar a discussão de modelos e as melhores formas de educá-los. É imprescindível que os educadores sejam conhecedores do transtorno e de suas características inerentes, como também das especificidades do sujeito, para que possam planejar adequadamente as ações a serem praticadas.

O debate em relação ao sujeito com autismo é amplo. Entendemos que as questões desse estudo são tão polêmicas e controversas quanto o estudo da etiologia do autismo. Neste texto levantamos informações pertinentes e necessárias para a educação da criança com autismo, apontando a importância de se conhecer as peculiaridades do transtorno, para que sejam tomadas as medidas educacionais necessárias tendo em vista as singularidades de cada aluno.

 

Equipe Técnica

 blog blog2