Reunião de Sala: Um espaço para falar da convivência escolar

Reunião de Sala: Um espaço para falar da convivência escolar

Cesar Pazinatto

25 Fevereiro 2016 | 12h36

vivi1

A partir do 4º ano, nos encontros semanais entre a coordenação e professores, planejamos as reuniões de sala com a intenção de discutir um assunto importante para a série. Desta forma, a rotina escolar conta com mais uma possibilidade na aprendizagem: falar sobre a convivência escolar.

As reuniões acontecem quinzenalmente e, em roda, discutimos temas ligados ao grupo considerando suas necessidades, interesses e possíveis combinados que possam ajudar na convivência diária entre os alunos de uma classe ou de séries diferentes.

No dia da reunião, os alunos opinam, fazem reclamações, contam sobre situações do recreio e sob a supervisão do adulto, definimos uma meta ou um novo combinado para auxiliá-los a conviver em grupo de uma maneira harmoniosa.

Na sala do 4º ano, por exemplo, eles reclamavam da passagem de outros alunos, principalmente algumas meninas, durante uma partida de futebol. Após as conversas, constatamos que as meninas estavam chamando a atenção porque também queriam usar a quadra e a partir daí, decidimos que elas também usariam a quadra. Neste momento, elas estão organizadas juntamente com os 5ºs anos para aprender a brincar com outras meninas e aproveitar este espaço.

A nossa experiência com a faixa etária nos permite planejar os próximos passos: daqui a pouco os meninos vão pedir para participar dessa brincadeira com as meninas. Que bom! Sempre temos um tema em pauta.

vivi2

Na sala do 5º ano surgiu o tema Bullying. O que é isso? Acontece nesta sala? Alguém já ouviu falar?

Neste dia, cada criança escreveu algo que gostava ou não no relacionamento entre os colegas. Fizemos um levantamento e iniciamos uma conversa sobre o que mais chamou atenção do grupo. Nesta discussão, as crianças falaram sobre as “ameaças” que recebiam de certos colegas para não contarem a um adulto sobre alguma “traquinagem” como fofocar, excluir, esconder uma bola, dar um apelido, bagunçar no banheiro.

Diante dos relatos e após muita conversa, definimos que ameaçar é inadmissível, e colocamos um cartão vermelho, fixado no mural, como um sinal de indignação a esta atitude. As crianças também sugeriram que poderíamos utilizar o cartão verde para uma boa convivência escolar, como a integração dos alunos de 4º e 5° anos no futebol e em outras brincadeiras.

Afinal, o importante é ouvir as crianças sempre!

Viviane Maia

Coordenadora Pedagógica 4º e 5º ano