Método científico ajuda no aprendizado sobre o zika vírus

Método científico ajuda no aprendizado sobre o zika vírus

Cesar Pazinatto

18 Fevereiro 2016 | 08h57

A ciência moderna, se caracteriza por elaborar novos métodos de estudo da natureza.

Esses métodos se fundamentam naquilo que nossos sentidos percebem, na observação, na descrição e interpretação dos fenômenos e na experimentação.

Apresentam processos com procedimentos padronizados que permitam explicações e formulações de conceitos válidos – o procedimento hipotético – dedutivo, conhecido como Método Científico.

Pensando na prática pedagógica de aproximação do cotidiano com a Ciência e na expectativa de que o aluno “enxergue” os procedimentos científicos em seu dia a dia, busco nos fatos rotineiros formas de apresentar aos alunos questões que se relacionam aos fenômenos científicos.

Para ilustrar e demonstrar as etapas do método científico com os alunos do 1º ano do ensino médio, usei as notícias que mostravam o aumento dos casos de microcefalia em recém-nascidos e a sua possível relação com o zika vírus.

Discutir sobre a relação com o vetor Aedes aegypti foi um dos fatores desencadeadores e as matérias em jornais, revistas e televisão serviram para identificar o problema.

Os alunos foram estimulados relatar o que já sabiam, coletar material e com isso elaborar as etapas do método científico subsequentes.

Uma das notícias utilizadas com os alunos

As hipóteses levantadas receberam reforço de notícias que mostravam que os primeiros casos relatados estavam em cidades com grande índice de infestação do mosquito Aedes aegypti.

Confirmar as suposições demandou mais coleta de material, desta vez em artigos e publicações especializadas.

Após algumas aulas debatendo todo o processo de pesquisa, os alunos mostravam confiança para a etapa de conclusão, confirmando as hipóteses até então levantadas. Para provocá-los mostrei a notícia abaixo:

Notícia que derrubou as hipóteses confirmadas

Após um certo desapontamento, pois muitos “e agora?”, “Nossa conclusão está errada!” eram ouvidos na sala, pude perceber que tinha conseguido meu objetivo.

A motivação voltava e meus alunos novamente questionavam, inferiam, analisavam e se debruçavam sobre novas pesquisas.

Ivana Marques
Professora de Biologia