Diário do Cauê

Diário do Cauê

Colégio Pentágono

31 Janeiro 2018 | 15h54

Caros leitores,

Meu nome é Cauê Gasparotto Bueno, tenho 22 anos e, atualmente, estou no 4º ano da Faculdade de Medicina da USP. Gostaria de compartilhar com vocês um pouco da minha trajetória e mostrar o impacto que uma formação básica completa pode ter no desenvolvimento profissional e acadêmico de estudantes que buscam a excelência em suas respectivas áreas de atuação.

Durante sete anos de minha vida (do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio), estudei no Colégio Pentágono, unidade Perdizes. Lá, recebia bolsa de estudos integral por conta do meu bom desempenho acadêmico. Após o 3º ano do Ensino Médio, fui aprovado no vestibular de Medicina da UNESP, Campus Botucatu. Abri mão de minha vaga e fiz um ano de  cursinho pré-vestibular (também com bolsa integral) para entrar na faculdade com que eu sonhava. Ao final deste ano intensamente focado neste único objetivo, fui aprovado na UNIFESP, na UNESP (em 1º lugar) e na USP, onde eu sonhava estudar e onde me matriculei.

No cursinho pré-vestibular, eu me preparei para uma prova, mas posso dizer que foi no Colégio Pentágono que eu me formei para a vida. Lembro-me dos dias que passei organizando apresentações para a turma, das monografias que escrevi para os projetos de estudo de campo e dos treinos de Futsal na quadra do “prédio novo”. Quem poderia imaginar naquele momento que, anos depois, eu faria apresentações de implementação de um programa que eu havia criado dentro da universidade, escreveria um relatório para o meu projeto científico ou defenderia as cores da minha faculdade em competições universitárias? Ao longo do tempo, o colégio impulsionou meu desenvolvimento em diversas áreas, o que eu só vim a reconhecer anos mais tarde, já na universidade. Acredito que seja o tal do currículo oculto de que tanto falam.

Na Faculdade de Medicina da USP, participo das equipes de Futebol e de Futsal (esportes que amo e que sempre pratiquei de forma competitiva, dentro e fora do Colégio Pentágono). Fui presidente da Atlética dos Estudantes de Medicina e embaixador da Fundação Estudar, em 2016, bem como criador e coordenador do programa de Mentoria de Carreira da Faculdade,em 2017, além de membro da Liga de Educação Médica e aluno de iniciação científica no Hospital Albert Einstein, desde 2014.

Acredito que a oportunidade de fazer todas essas atividades extracurriculares seja o grande diferencial da USP, pois elas são responsáveis por um crescimento profissional e pessoal indiscutível. Mas, como quase tudo na vida, as oportunidades aparecem para quem corre atrás.

A escola (ou a universidade) não é culpada pelos nossos fracassos ou responsável pelas nossas conquistas. A escola é uma oportunidade. Eu tinha dentro de mim a vontade de me superar e o desejo de alcançar grandes conquistas. O Colégio Pentágono foi uma catapulta para tudo isso. Como diria Nicolau Maquiavel (aquele mesmo das aulas do Bento, meu querido professor de Filosofia de quem jamais me esquecerei): um príncipe virtuoso é aquele que sabe administrar os períodos de revés e aproveitar os momentos de fortuna. Pois bem, alunos virtuosos saberão aproveitar o que o Colégio Pentágono tem a oferecer. As portas estarão lá, como sempre estiveram, basta ter coragem e determinação para abri-las. E assim é, depois da escola, na universidade e na vida.

Chego, então, a um novo momento na minha trajetória: fui selecionado para um programa de intercâmbio de um ano na Harvard Medical School, em Boston, nos EUA, voltado para a pesquisa científica na área cardiovascular, uma oportunidade de que, com certeza, eu não abriria mão. O Colégio Pentágono me apoiou neste projeto e, mais uma vez, fico lisonjeado por acreditarem na minha capacidade e investirem no meu futuro.

Venho aqui hoje dizer que,durante o ano de 2018, em que estarei em Harvard, escreverei uma vez por mês em uma página do Colégio Pentágono, chamada Diário do Cauê, contando mais sobre as experiências que vivenciarei, o meu dia a dia e outros temas de interesse dos leitores. Os textos também serão publicados no Facebook do colégio (https://www.facebook.com/ColegioPentagono). Estabeleceremos, assim, um diálogo com alunas e alunos que sonham, um dia, estudar em alguma faculdade de alto nível, no Brasil ou no exterior, e que almejam fazer a diferença, seja na sua comunidade, no seu bairro, na sua cidade, no seu país ou no mundo.

Com carinho,

Cauê