Dia das Mães

Dia das Mães

Colégio Pentágono

09 Maio 2018 | 08h33

É comum, no mundo contemporâneo, a comemoração do Dia das Mães no segundo domingo de maio. Essa data já se tornou sinônimo de afeto, carinho, consideração pelas genitoras e/ou por quem as representa. A despeito do viés mercadológico, o Dia das Mães é uma data de singular importância para o mundo ocidental, sobretudo, por reforçar os vínculos familiares.

No Colégio Pentágono, abrimos espaço para vivenciar esse dia, o Dia das Mães, uma pausa dentro do ambiente escolar, que se prepara para receber as famílias e proporcionar momentos de valorização da convivência.

Porém, falar de Mãe é falar de identidade, simbiose, reciprocidade, cumplicidade… Nossas histórias estão sempre entrelaçadas às delas, o que nos permite nos reconhecer em sua voz, no jeito de andar, na cor dos olhos ou na simples receita, exclusiva, do bolo de fubá… É a nossa memória mais recente.

Ainda vivemos uma idealização feroz da maternidade e, ao mesmo tempo, uma desconstrução de alguns paradigmas. No entanto, o desafio é saber a medida certa, afinal de contas, existe um mundo lá fora “além da mãe”, e a criança precisa continuar o processo de “ruptura do cordão umbilical” para se tornar, aos poucos, um indivíduo independente.

E é pensando nessa medida que debruço o meu olhar para o verdadeiro valor da palavra Mãe, aquela que, na simbiose, ama incondicionalmente, mas que, ao mesmo tempo, na reciprocidade, consegue acompanhar os passos proporcionalmente autônomos de seus filhos, encorajando-os a fazer por si o que já são capazes. Na cumplicidade, aquela que, junto ao seu filho, enxerga o exato momento que ele amarra seu tênis sozinho, pela primeira vez, vibrando junto por tamanha conquista… Mãe que se faz presente pelo olho no olho, pela escuta com atenção e dedicação de seu tempo, muitas vezes, além da marcação do relógio… Mãe que, em tempos de poucas pausas, como menciona Manoel de Barros, “re-para” e aprende…

“A mãe reparou que o menino
gostava mais do vazio
do que do cheio.
Falava que os vazios são maiores
e até infinitos…”

Manuel de Barros

Thaís Ramos Nucci Zanetti
Coordenadora dos 1ºs, 2ºs e 3ºs anos Ensino Fundamental I da unidade Perdizes do Colégio Pentágono