Como lidar com a falta de interesse nos estudos?

Como lidar com a falta de interesse nos estudos?

Colégio Pentágono

21 Março 2018 | 16h41

“A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original.”
Albert Einstein

Conhecer é refletir e construir conceitos e ideias a partir do uso do raciocínio em busca do saber. Para o filósofo Sócrates, sua fé na virtude do conhecimento era tal que o conduziu ao intelectualismo ético: a moral se reduz ao conhecimento do bem. Sabemos que há prazer em si em compartilhar, em dividir, em repassar o que conhecemos. Em termos algo que nos torne melhores, mais felizes, mais humanos.

Em palestra no TED, organização norte-americana cuja missão é compartilhar ideias que valem a pena, o consultor britânico Ken Robinson defende a criatividade como grande impulso para nos movermos.  Conhecendo algo, podemos nos preparar para errar; caso contrário, nunca teremos uma ideia original. O conhecimento, aliado à determinação, impulsiona o homem para a criatividade. E, para isso, é fundamental pensar em educação para o ser em formação em sua totalidade.   No TED de 2017, o professor  Clóvis de Barros Filho discursa sobre o prazer de conhecermos, de organizarmos o nosso desejo, e sobre aprendermos a desejar o que nos faz falta.

Se o conhecimento nos torna pessoas melhores, criativas, com desejo de viver, como lidar com a falta de interesse pelos estudos?

A primeira pergunta a ser feita é se essa falta é momentânea ou constante. Se constante, há a necessidade da investigação das causas, começando pelas questões físicas e psicológicas, como visão, postura, ansiedade, depressão e transtornos de aprendizagem. Se essa falta é momentânea, cabem algumas ações dos educadores e responsáveis para retomar o prazer pelo conhecimento.

A BNCC de 2017 discorreu sobre dez Competências Gerais para o Ensino Fundamental. Ela veio para consolidar ainda mais a crença na formação integral dos estudantes. As áreas do conhecimento se complementam com as competências socioemocionais, validando o significado para a experiência, a curiosidade e a alegria pelo desenvolvimento intelectual.

O vestibular é nossa realidade nacional e, no Colégio Pentágono, compreendemos que cada área do conhecimento vai muito além dele. Por essa razão,  estimulamos a origem do conhecimento que cada área traz, com foco em aulas significativas,  questionadoras, estimulantes, além de promovermos atividades como o Fórum de Estudantes, no qual há uma simulação da ONU, e  Estudos de Meio, entre outras. Também compartilhamos  experiências como a de Cauê Gasparotto Bueno, ex-aluno do Pentágono que faz intercâmbio  na renomada Harvard Medical School, em Boston, nos Estados Unidos; e de  Hillary Andales, estudante filipina que ganhou o prêmio de Ciência “Breakthrough Junior Challenge”. “Eu melhoro meus conhecimentos por meio de discussões em família, documentários, pesquisas na Internet, vídeos no Youtube e livros”, conta ela sobre onde busca respostas para  as suas dúvidas. Por exemplo, como entende o que é a fotossíntese: olha para as plantas e não vê somente organismos verdes. Segundo a estudante, elas são “máquinas mágicas que convertem dióxido de carbono em glicose e oxigênio, usando o poder do sol”.

Nesse contexto de conhecimento,  à família cabe a tarefa de valorizar o empenho e o hábito diário do estudo, proporcionando um ambiente propício para a concentração, evitando interrupções. E, sobretudo, compartilhar a alegria do conhecimento, do  prazer em fazer o que faz, pois sabemos que a torneira do conhecimento é a única que não tem problema esquecer aberta.

Marcly Castro
Orientadora Educacional do Colégio Pentágono