A importância de conhecer a cultura do nosso País

A importância de conhecer a cultura do nosso País

Colégio Pentágono

23 Agosto 2017 | 10h45

“A linguagem sabemos, é a capacidade de expressar, de simbolizar e comunicar ideias, sentimentos, sensações… enfim, de dizer o mundo. Portanto, aquilo que existe de mais humano no homem. Uma escola concebida como um espaço onde pudesse vicejar uma multiplicidade de linguagens permitiria florescer, também, uma pluralidade de sentidos, de novos sentidos do humano. Uma escola apta a fazer do ensino um instrumento sustentador de valores e não mais pura e simplesmente reprodutora de aprendizado técnico.” René Marc da Costa Silva in Cultura Popular e Educação, 2008.

O Brasil é um país tão grande e com uma enorme diversidade de pessoas, de raças, cores, línguas, hábitos, costumes e, principalmente, culturas diversificadas. E cada região tem um universo rico de tradições, festas e costumes peculiares.

Um dos grandes desafios da escola é reconhecer a diversidade como parte inseparável da identidade nacional e a riqueza representada por essa diversidade que forma o patrimônio brasileiro, dentro da complexa articulação entre cultura, arte e educação na relação professor e aluno.

Esta problemática propõe uma concepção que busca explicitar a diversidade étnica e cultural que compõe a sociedade brasileira, compreender suas relações e formar cidadãos do mundo…

O Colégio Pentágono tem como missão acolher e encorajar os alunos para que aprendam com excelência e atuem como cidadãos do mundo. E, dentre os seus valores, acredita na importância do conhecimento de outras culturas, atitudes, símbolos, crenças, valores e costumes, como formas diferentes, porém legítimas, de interpretar e interferir na realidade.

Desde a imersão nos programas curriculares em Língua Inglesa, que intensificam o conhecimento sobre outras línguas, até a participação dos alunos em fóruns de debates externos e sobre questões mundiais e globalizadas, o Pentágono desenvolve diversas atividades, que promovem a valorização da cultura do nosso País, em sua formação.

Temos a proposta do projeto de Estudo de Meio para cada uma das séries, que tem por objetivo proporcionar o contato direto com a riqueza do patrimônio cultural e natural do nosso País. Em uma abordagem multidisciplinar, os alunos aprendem a compreender a paisagem por meio de observação e análise, e estabelecem relações entre fatores geográficos, biológicos, históricos, sociais e políticos.

Desenvolvemos, também, atividades internas que aproximam as diversas formas culturais, como o intervalo musical com apresentações dos alunos, o intervalo cultural, com apresentações artísticas que estimulam a expressividade, a participação no FIMP – Festival Interno de Música, no Coral do Pentágono, com apresentações nacionais e internacionais, e o espetáculo apresentado na formatura do 9º ano, cujo tema do projeto cultural é a cidade de São Paulo.

Dentro da área de Arte, um dos focos refere-se à preservação do patrimônio cultural imaterial (prevista na Constituição Brasileira – 1988), relacionada às memórias, às relações sociais, aos saberes e às práticas que compõem a identidade de um povo. Incluem-se aí as celebrações e os saberes da cultura popular, as festas, a religiosidade, a musicalidade, as danças, as comidas e bebidas, os artesanatos, os mistérios e mitos, a literatura oral e outras tantas expressões que fazem o nosso País tão diverso e rico.

Trabalhar com a arte e a cultura brasileira na Educação torna possível a construção da identidade individual e coletiva,  pautada em valores que vão muito além dos divulgados pelos meios de comunicação de massa. As festas são eventos e celebrações nas quais é mais claramente percebido o caráter dinâmico da riquíssima cultura popular brasileira. Portanto, aliar o estudo à Festa Junina da escola, o nosso “Pé de Moleque”, é o projeto mais oportuno para envolver arte, cultura e diversão, mas requer rupturas com estereótipos tradicionalmente incorporados ao evento.

Hoje, é difícil negar a enorme relevância que a escola tem na defesa, na promoção, na difusão e no conhecimento das manifestações culturais populares, porém, nem sempre esse valor é definido em termos que fiquem claros a todos.

Vemos, no Pentágono, a importância de destacar a necessidade de se pensar a escola como um espaço onde diferentes linguagens possam produzir sujeitos de amplos e diversificados saberes.

Radamés Rocha
Coordenador de Artes e Infoeducação do Colégio Pentágono