Oficinas no Oswald: um espaço de autoria e colaboração

Oficinas no Oswald: um espaço de autoria e colaboração

Colégio Oswald de Andrade

04 Dezembro 2015 | 19h34

Ação e reflexão complementam-se em curso que propõe desafios concretos a alunos do Ensino Fundamental II

Quando estava na transição do 7º para o 8º ano do Ensino Fundamental II, a aluna Luiza Moura sentia que precisava se conhecer melhor. Ela via que uma das formas de fazer isso era olhar para suas roupas: como ela gostaria de se vestir? Sua vestimenta teria algo a ver com a construção da sua identidade? 

Com esse questionamento em mente, ela escolheu participar do curso “Identidade e Estilo” – uma das doze oficinas oferecidas  em 2015 para alunos de 7º, 8º e 9º ano -, em que pôde criar, à sua maneira, roupas e acessórios.

Iniciado este ano na Unidade Cerro Corá, o curso de Oficinas segue uma das principais propostas pedagógicas do Oswald: criar possibilidades de escolha, para que o aluno participe ativamente de sua trajetória escolar.“Poder escolher uma aula mostra que nós também temos certa autonomia e responsabilidade”, comenta Luiza.

Resolução de problemas

Em cada oficina, há um desafio para os estudantes. A partir disso, eles identificam, com a mediação do oficineiro, habilidades que precisam ser aprendidas para a resolução do problema. “Assim o aluno realiza um projeto mais autoral e também dá sentido ao que está aprendendo naquele momento”, afirma Eduardo Campos, diretor pedagógico da Unidade Cerro Corá.

Enquanto Luiza queria ampliar suas percepções sobre si mesma, Mathias Rondet, estudante do 9º ano, gostaria de entender por onde passam os alimentos presentes em seu dia a dia – ele conta que adora cozinhar. Para isso, escolheu a oficina “Degustando Saberes e Sabores”, em que os alunos vivenciaram etapas do aproveitamento integral do alimento: o plantio, o preparo, o descarte e a compostagem.

Tanto durante quanto após essas experiências, o oficineiro Gabriel Zei propunha questionamentos que relacionassem a alimentação humana à preservação do meio ambiente, à sustentabilidade. “Fizemos uma visita à feira e lá os alunos observaram a quantidade de alimentos desperdiçados, tiraram fotos e refletiram sobre os impactos desse fenômeno na sociedade”, conta Gabriel.  

Reformar a escola

O diretor Eduardo Campos comenta que outro elemento presente na concepção das oficinas é a reestruturação do ambiente escolar, em um momento de reorganização da sociedade, de expansão dos tempos e espaços de aprendizagem.

Compreendendo que os alunos do Ensino Fundamental II estão inseridos em ambientes digitais, espaços de expressão e criação de relações pessoais, o Oswald pensou em oficinas que dialogassem com esse contexto.

É o caso das oficinas “Audiovisual para Web”, “Jornalismo e Mídias Digitais” e “HQ e CyberArte”. No curso de Audiovisual, por exemplo, os alunos criaram um canal no YouTube, onde publicaram algumas das produções feitas ao longo do ano.  

“Em propostas como essa o aluno tem a oportunidade de trabalhar em equipe, participar de uma criação coletiva, desenvolver uma relação mais autoral com a aprendizagem, ser menos passageiro e mais protagonista dentro e fora da escola”, conclui o diretor Eduardo Campos.