Volta às aulas, momento de adaptações

Volta às aulas, momento de adaptações

Natália Venâncio

02 Fevereiro 2016 | 11h04

IMG_1962 IMG_1974     IMG_1980

Início de fevereiro é período de volta às aulas. E muitas questões surgem, principalmente, para pais de crianças que vão para a escola pela primeira vez ou mesmo para os alunos que mudaram de escola. Mas, parece que, sempre há uma “dorzinha de barriga” no 1º dia de aula para quase todos os alunos, seja da Educação Infantil, do Fundamental ou do Ensino Médio, pois há sempre muitas expectativas em relação ao novo ano, à nova sala, aos novos amigos, aos novos professores…

Outras tantas decisões da família – dos pais e alunos – já foram tomadas para a escolha da escola do ano letivo que se aproxima, como conhecer a proposta pedagógica, os projetos e o espaço da escola, o valor da mensalidade, entre outros. É sabido que cada organização tem sua própria cultura e o desafio agora é conhecer as novidades e participar do processo de integração, organizando a rotina.

Pensando em auxiliar a imersão em um universo complexo, o Colégio Marista Arquidiocesano tem o Programa de Adaptação ao Ambiente Escolar que acontece no início do ano e contempla da Educação Infantil ao 1° ano do Ensino Fundamental.

“O primeiro dia de aula começa com a reunião com os pais. Além de esclarecer diversas questões, os responsáveis levam para casa a foto da professora do(a) filho(a) e a apresentam, criando familiaridade, aproximando o contexto da escola do familiar, numa tentativa de auxiliar a criança no processo de construção da relação de confiança, elemento este tão importante de ser estabelecido entre professor e aluno. Neste primeiro encontro do ano, os professores oferecem um material de orientação aos pais com algumas “dicas” de pequenas ações e comentários, alguns que devem ser evitados e outros que devem ser incorporados para auxiliar este momento tão importante para as crianças”, afirma Marisa Ester Rosseto, Diretora Educacional do Marista Arquidiocesano.

Na primeira semana de aula da Educação Infantil, por exemplo, há um horário especial para as crianças, no qual elas não ficam o período todo na escola, mas apenas 2 horas. “O responsável traz a criança e pode ficar em um ambiente separado, na biblioteca infantil. Caso a criança chore, um professor a leva até o local, no caso reservamos a biblioteca infantil, onde está alguém de seu convívio familiar para que ela sinta segurança. A prática é válida também para o período integral. Se for necessário, a mãe senta na sala de aula, participa um pouquinho. O desligamento vai acontecendo paulatinamente, sem traumas”, esclarece a Diretora Educacional.

“Para este período de adaptação, reforçamos o nosso quadro de profissionais em todas as salas, pois compreendemos que todas as crianças precisam de muita atenção dos adultos da escola, principalmente aquelas que choram. Vale aqui observar que a cada ano temos notado que diminui o número de crianças que choram neste período. A escola parece já ser um espaço conhecido para nossas crianças da contemporaneidade. O tempo de adaptação é determinado, porém há flexibilidade de acordo com necessidade de cada criança”, acrescenta Marisa.

O Programa também abrange outras séries a partir do 2° ano do Ensino Fundamental, porém a partir de outros moldes. O responsável leva a criança até a sala de aula e a professora a as auxiliares de classe vão até a porta receber os alunos com atenção e muito carinho. A partir do 6° ano, há uma acolhida especial, chamada de CAMAR (Caminhada Marista), para os alunos novos com a presença de Professores, Agentes da Pastoral e Coordenadores Psicopedagógicos.